FOTOGRAFAR... BORRAR... MOVER... O QUE PODE A CRIANÇA NA INFÂNCIA?

Gicele Maria Cervi, Rosemari Formento Bonickoski, Diana Sueli Vasselai Simão

Resumo


A pesquisa cartografa os movimentos das crianças em dois espaços de educação infantil em Blumenau, Santa Catarina. Fotografa, revela, maquina, imprimi, estampa, grava, produz, ela rostifica. Como tirar do quadro a imagem, como desfocar, borrar, manchar, mover, como procurar pistas? Olhar as pistas de criança numa maquinaria de infância, a escola. A proposta provoca uma entrada nas trilhas, pegar pistas de criança num espaço institucionalizado de educação infantil, habitar territórios e construir mapas do que escapa do olhar adulto. Onde estão as crianças nas trilhas? Como romper com o equilíbrio, com o cristalizado, entrar pelo meio, pegar pistas de criança sem esculpir, moldar ou colocar seta. Mais do que achar a criança, seguir com a criança nas trilhas, permitir se perder. A questão é o que pode a criança na infância? Pensamentos que dançam, tentam inventar sem capturar, sonham com criaturas rastejantes que ao piscar pegam as imagens que se misturam. Fotos são selecionadas e com elas compõem-se mapas. Imagens que se movimentam, uma foto dentro da outra, uma foto que reflete, fotos que fazem rizoma, uma imagem vista através da lupa que da zoom às estratificações, uma experimentação imagens que potencializam um desejo de experimentar outros devires. Deleuze (1997), Lins (2012), Godoy (2013), Preve (2010), Cervi (2013) são autores que junto com as fotos impulsionam o desenho da cartografia. A potência da imagem fala, grita, chora, assombra; ela incomoda. Mexer com outros materiais, outros tempos, na necessidade de criar, de sacudir o pensamento, tentando sair da rigidez, apostando na multiplicidade da vida, dos encontros, da potência das/nas/com as crianças nas linhas mais molares, flexíveis, fluidas, potências que compõem as linhas de fuga, que dão visibilidades as resistências.

Palavras-chave: Cartografia. Criança. Imagem. Infância. Movimento. 


Texto completo:

PDF

Referências


CORAZZA, Sandra Mara. O que quer um currículo?: pesquisas pós-críticas em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

DELEUZE, Gilles. Conversações, 1972-1990. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed.34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996. 3v, il. (Trans).

PREVE, Ana Maria Hoepers et al. Mapas, prisão e fugas= cartografias intensivas em educação. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.