Superando a fragmentação no cotidiano da Educação Infantil

Ricardo Vecki, Jordelina Beatriz Anacleto Voos

Resumo


 

RESUMO - Este artigo trata da importância do diálogo interdisciplinar do pedagogo, com o docente de educação física, como proposta de uma prática pedagógica que signifique a ação destes profissionais, na educação infantil. É o resultado do processo de investigação realizado em um Centro de Educação Infantil, no Município de Joinville, Estado de Santa Catarina, envolvendo educadores e crianças de 4 a 5/6 anos, a partir do seguinte problema: no cotidiano da educação infantil, como o professor de educação física, em articulação com o pedagogo, pode contribuir para trazer à tona a relevância da corporeidade e do movimento das crianças no planejamento das ações pedagógicas? A justificativa da investigação emerge, tendo em vista o que trata o documento oficial do Ministério da Educação (Base Nacional Comum Curricular (BNCC, 2017), que relação à Educação Infantil, referente as aprendizagens essenciais que compreendem tanto comportamentos, habilidades e conhecimentos quanto vivências que promovem aprendizagem e desenvolvimento nos diversos campos de experiências, sempre tomando as interações e brincadeiras como eixos estruturantes. Nesse sentido, cabe à disciplina de Educação Física, constituída de três blocos: jogos, ginásticas, esportes e lutas; atividades rítmicas e expressivas e conhecimentos sobre o corpo, assegurar às crianças “um conjunto de conhecimentos que permitam ampliar sua consciência a respeito de seus movimentos e dos recursos para o cuidado de si e dos outros” (BNCC, 2017, p. 171). Para dar conta do que está proposto, torna-se primordial a atuação do pedagogo e do professor de educação física, a qual não pode acontecer de forma isolada. O planejamento das aprendizagens essenciais nos diversos campos de experiências, tomando, por exemplo, as interações e as brincadeiras como eixos estruturantes, exigirá destes profissionais além, da interlocução, a constituição de uma prática pedagógica que priorize o desenvolvimento integral da criança. A pesquisa de abordagem qualitativa, caracteriza-se como uma pesquisa de campo e a observação foi a técnica utilizada para a coleta de dados, no sentido de compreender, na prática, a consciência das crianças a respeito de seus movimentos e de seus pares. Os resultados revelam que, ao articular teoria e prática e superar a fragmentação das atividades curriculares, é possível, que o professor de Educação Física e o Pedagogo, em conjunto, atendam de maneira significativa, as necessidades das crianças pequenas, em relação à corporeidade e movimento. A análise e a interpretação dos dados e o registro das vivências, são apresentadas de forma descritiva e para maior visibilidade, utilizou-se gráficos e imagens.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. Ludicidade como instrumento pedagógico. Disponível em: http://www.cdof.com.br. Acesso em Agosto de 2017.

ANTUNES, Celso. O jogo e a educação infantil: falar e dizer, olhar e ver, escutar e ouvir. Fascículo 15. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003, 4ª edição.

BAQUERO, Ricardo. Vygotsky e a aprendizagem escolar. Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais, 2013.

_____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996

_____. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação infantil. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

_____. Parâmetros Curriculares Nacionais. 1998.

CRAIDY, Carmem Maria; KAERCHER, Gládis Elise P. da Silva. Educação infantil: pra que te quero? Porto Alegre: Artmed, 2001.

DANTAS, H. Emoção e ação pedagógica na infância: contribuição de Wallon. Temas em Psicologia, Sociedade Brasileira de Psicologia, São Paulo, n º 3, p. 73-76, 1993.

DARIDO, S. C. A educação física na escola e o processo de formação dos não praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.18, n.1, p.61-80, jan./mar. 2004.

FERREIRA, Maria Clotilde Rosseti. A necessária associação entre educar e cuidar. Pátio Educação Infantil, 10-12, abr/jul, 2003.

FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Editora Scipione, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GALLAHUE, D. Understanding motor development in children. New York, John Willey & Sons, 1982.

GALLARDO, J. S. Educação Física – contribuições à formação profissional. 3.ed., Ijuí: UNIJUÍ, 2000.

GALLARDO, J.; OLIVEIRA, A. A. B. de e ARAVEÑA, C. Didática de Educação Física. A criança em movimento: jogo, prazer e transformação. São Paulo: FTD, 1998.

GHIRALDELLI Jr., P. (Org.). Infância, escola e modernidade. São Paulo: Cortez, 1997.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira Thonson Learning, 2002.

LIBÂNEO, J. C. O processo de ensino na escola. São Paulo: Cortez, 1994.

MELO, V. Andrade de. História da educação física e do esporte no Brasil. São Paulo: Ibrasa, 3ª Edição, 1999.

NASCIMENTO, M. das G. A formação continuada dos professores: modelos, dimensões e problemática. Ciclo de Conferências da Constituinte Escolar. Caderno Temático, Belo Horizonte, n. 5, jun., 2000.

NETTO, J. P. Projeto ético-político do Serviço Social. Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2006.

NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, FEA-USP, São Paulo, v. 1. n. 3, 1996.

OLIVEIRA, Vera Barros de (org). O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

PIAGET, J. Psicologia e pedagogia. 2ºed. Rio de Janeiro: Forense, 1972.

RESENDE, H.G. Reflexões sobre algumas contradições da educação física no âmbito da escola pública e alguns caminhos didático-pedagógicos na perspectiva da cultura corporal. Revista Movimento, v.1, n.1, p.20-8, 1994.

SANTOS, A. R. dos. Metodologia científica: a construção do conhecimento. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SOARES, C. Educação física escolar: conhecimento e especificidade. Mimeo,1995.

SOUZA, A. R. Resolução de conflitos entre crianças em brincadeiras de rua. Dissertação de Mestrado não-publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia: Teoria e Pesquisa do Comportamento, Universidade Federal do Pará. Belém, PA., 2006.

TRIVIÑOS, Augusto Nivaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo. Atlas, 1987 e 1995.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.