OS IMPACTOS REFORMISTAS NA PROPOSIÇÃO DO CURRÍCULO PARA O ENSINO MÉDIO

Luciano Rodrigues Duarte

Resumo


O Brasil nas duas últimas décadas vem desenvolvendo uma série de programas e ações governamentais com a finalidade de universalizar o acesso à educação pública. Programas e ações frutos de uma série de mudanças políticas, sociais, culturais e, principalmente, econômicas, organizadas em meados da década de 1990, que produziram novos formatos para a relação Estado, Sociedade e Educação culminando nos processos de seleção e distribuição dos conhecimentos na escola. Nesse contexto, investigamos a elaboração das políticas curriculares nacionais, particularmente, aquelas retratadas nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM, 2000) e nas Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica (DCN, 2013). Para tanto, tomamos esses documentos como incrementos da qualidade da Educação Básica, particularmente, na etapa do ensino médio, mas, também, portadores de propósitos educativos para uma prática intencional institucionalizada. Diante disso, estamos ancorados na hipótese de que a educação pública estatal, gestada por princípios neoliberais e neogerenciais, descritos em orientações de desempenhos, performance, resultados, metas e vocalização nos mesmos moldes da administração privada/empresarial. Depreendemos disso, o espaço escolar na condição de catalisador, ao mesmo tempo, que promotor de princípios educativos delineados por discursos acerca de ideais democráticos, de um lado, pautados em orientação meritocrática e, de outro, na eficiência, eficácia e produtividade. Acresce-se a isso, uma formação aligeirada, atendendo aos interesses mercadológicos e de empregabilidade, que dão à tônica reformista do Ensino Médio brasileiro. Reforma essa fundada em objetivos oriundos da formação para o mercado, com o intuito de constituir mão-de-obra técnica e barata em acordo com as reformas trabalhista, também desencadeada pelo Estado brasileiro. Por fim, indagamos como os conhecimentos estão sendo selecionados para serem distribuídos às escolas médias estatais, bem como estão sendo articulados os discursos para esse fim nos documentos curriculares prescritos para está etapa da educação básica.

 Palavras-chave: Currículo, Ensino Médio, Neoliberalismo, Empregabilidade.

 


Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, M. Para além da lógica do mercado: compreendendo e opondo-se ao neoliberalismo. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2005.

BRASIL. Lei nº 11.892/08 de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e dá outras providências. Diário Oficial da União, Edição de 30/12/2008. Brasília, 2008.

_____.Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htmAcesso em: 18/04/2017.

_____.Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf Acesso em: 17 de Março de 2017.

_____.Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

_____.Reestruturação e Expansão do Ensino Médio no Brasil (GT Interministerial instituído pela Portaria nº. 1189 de 05 de dezembro de 2007 e a Portaria nº. 386 de 25 de março de 2008). Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/2008/interministerialresumo2.pdf. Acesso em 15 de maio de 2017.

CRAHAY, Marcel. Como a escola pode ser mais justa e mais eficaz? São Paulo: cadernoscenpec, 2013, p. 9-40. VALLE, I. R. do. Uma escola justa contra o sistema de multiplicação das desigualdades sociais. Anais da II Conferência do Desenvolvimento, CODE 2013, Brasília DF.

GOODSON, I. F. A Construção Social do Currículo. Lisboa: Educa, 1997.

MARQUES. R. A. HISTORICISMO DA ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA: aspectos políticos, econômicos e Curriculares. p. 133-156. In. SILVA, F. C. T. ; RASSLAN. M. C. Observatório de Cultura Escolar: estudos e pesquisas sobre escola, currículo e cultura escolar (volume 2). Campo Grande, Editora da UFMS, 2016.

RODRIGUES, Maria Lucia; LIMENA, Maria Margarida Cavalcanti (Orgs.). Metodologias multidimensionais em Ciências Humanas. Brasília: Líber Livros Editora, 2006.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, F. C. T; MENDES, G. M. L. Políticas de Currículo e Implicações no Contexto Escolar: contribuições do Observatório de Cultura Escolar. Ci. Huma. e Soc. em Rev., RJ, EDUR, v. 34, n. 12, jan / jun, p. 177-190, 2012.

SILVA, F. C. T.; PEREIRA, M. V. M. (Org.). Observatório de Cultura Escolar: estudos e pesquisas sobre escola, currículo e cultura escolar. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

TORRES SANTOME, Jurjo. A instituição escolar em tempos de intolerância. Revista Teias, Ano 2, nº 3, Jan/Jun. 2001, p. 77 – 95.

YOUNG, M. F. D. Por que o conhecimento é importante para as escolas do século XXI? Tradução Tessa Bueno. Revisão técnica Cláudia Valentina assumpção Galian. In: Cadernos de pesquisa. Fundação Carlos Chagas. V.46.n.159. jan-mar.2016.ISSN. 0100-1574. E-ISSN 1980-5314.Disponível em:. Acesso em: 17 de Abril de 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.