REPENSANDO A TRAJETÓRIA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRECEPTORIA RESIDÊNCIA MÉDICA E PRECEPTORIA NO SUS E SEUS IMPACTOS NA VIDA PROFISSIONAL/NA VIDA ACADÊMICA

Ana Carolina Alvares Lavigne de Lemos Ta, Meire Núbia Santos de Santana, Eliana Santos Goldman Pinto, Maria Conceição Scaldaferri Fernandes, Verônica Ferreira de Souza Fernandes

Resumo


Esse trabalho teve como objetivo descrever e discutir a trajetória de docentes do curso de Medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz nos Cursos de Especialização Preceptoria em Residência Médica e Preceptoria no SUS, promovidos pelo Instituto Sírio Libanês Ensino e Pesquisa, bem como analisar os impactos da aprendizagem na vida profissional dos mesmos. Além disso, apresentar o relato do percurso trilhado em busca de conhecimentos, assim como o registro das experiências, as percepções acerca do processo de aprendizagem e seus efeitos na prática profissional. O caminho metodológico realizado foi constituído a partir da descrição das atividades educacionais propostas pelo curso, entre elas: situação problema, narrativa, oficina, compartilhamento da viagem, aprendizagem autodirigida, portfólio e projeto aplicativo. Buscou-se estabelecer um diálogo entre as experiências vivenciadas durante o período de março a novembro de 2017 nos referidos cursos de pós-graduação com o referencial teórico sobre metodologias ativas no processo ensino-aprendizagem, com a literatura referente ao exercício da preceptoria no Sistema Único de Saúde e outros aportes teóricos sobre metodologias inovadoras. Conclui -se que os cursos instigaram a reflexão e apontaram pistas para auxiliar na formação de profissionais de saúde, forneceram apoio pedagógico para reiterar as Diretrizes Curriculares Nacionais como modelo no Curso de Graduação em Medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), solidificar o uso de metodologias ativas de ensino-aprendizagem e fortalecer a articulação ensino-serviço-comunidade e a adoção do paradigma da integralidade. Enfim, forneceram subsídios para adquirir o perfil de competência de preceptoria estabelecido pela Instituição formadora.

Palavras-chave


Aprendizagem; Preceptoria; Formação profissional em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, M.C. et al. Avaliação formativa e feedback como ferramenta de aprendizado na formação de profissionais da saúde. Medicina (Ribeirão Preto) 47(3):324-31,2014.

BORGES, T. S. & ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: O uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior.Cairu em Revista. Jul/Ago 2014, Ano 03, n° 04, p. 119-143.

CALEMAN et al. Projeto Aplicativo: termos de referência. São Paulo: Ministério da Saúde; Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, 2016.

CECCIM, R.B. e FERLA, A.A. Educação Permanente em Saúde. IN PEREIRA, Isabel Brasil. Dicionário de Educação Profissional em Saúde /Isabel Brasil Pereira e JulioCésar França Lima. 2 ed. revista e ampliada.Rio de Janeiro, EPSJV, 2008. 478p.

CORTEZ, E. A. et al. Educação permanente, continuada e em serviço: desvendando seus conceitos. Revista Electrónica Trimestral de Enfermeria. Nº 29 Enero,2013.

GIOVANELLA, L. Planejamento estratégico em saúde: uma discussão da abordagem de Mário Testa. Cadernos de Saúde Pública.vol.6 no.2 Rio de Janeiro Apr./June 1990.

LIMA, V.V. et al. Processos educacionais na saúde II. São Paulo: Ministério da Saúde; Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, 2014.

LIMA, V.V. Espiral Construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface Comunicação Saúde Educação.21(61):421-34,2017.

LINO, M.M. et al. A realidade da educação continuada na enfermagem nos serviços públicos de saúde em Florianópolis. Online Brazilian Jounal of Nursing, vol 6, p.1-16, 2007.

MALDANER, J. J.; SETÚBAL, O. A. M. Resquícios da pedagogia tradicional na prática docente: Um relato de experiências a partir do Pibid IFTO-Campus Palmas. In: V CONNEPI Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, 2010, Maceió AL. Anais do V CONNEPI, 2010.

MARIN, M. J. S. et al. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica 34(1) 13-20, 2010.

MELO, F. A. B. P. Projeto Terapêutico Singular como estratégia de prática da multiprofissionalidade nas ações de saúde. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Volume 17 Número 2 Páginas 197-202, 2013.

MITRE, S. M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Revista Ciências Saúde Coletiva, vol.13 suppl. 2. Rio de Janeiro Dec. 2008.

OLIVEIRA, F.D. A preceptoria na Estratégia Saúde da Família: o olhar dos profissionais de saúde. Dissertação. Mestrado Profissional em Ciências da Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN, 2014.

OLIVEIRA, M.S. de et al. Preceptoria no SUS: caderno do curso 2017. São Paulo: Hospital Sírio-Libanês; Ministério da Saúde, 2017.

PINTO, ESG et al. Metodologias ativas no território: a pluralidade dos encontros. Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida.v. 4, Suplemento 1 (2018). ISSN 2446-4813: Saúde em Redes.Suplemento, Anais do 13ª Congresso Internacional da Rede UNIDA. Disponível em:< http://conferencia2018.redeunida.org.br/ocs2/index.php/13CRU/13CRU/paper/view/2859>.

RABELO, Lisia e GARCIA, Vera L. Role-play para o desenvolvimento de habilidades de comunicação e relacionais. Revista Brasileira de Educação Médica. 39(4) 586-596, 2015.

ROZENDO, C. A.; LIMA, P.A.B. Desafios e possibilidades no exercício da preceptoria do Pró- PET Saúde. Interface Comunicação Saúde Educação. 19 Supl I:779-91, 2015.

VASCONCELHOS FILHO, P.Afinal, o que é planejamento estratégico?Revista de Administração de Empresas. Vol. 18 nº 2, São Paulo Apr/June, 1978.






Direitos autorais 2019 Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.