UM ESTUDO PRÁTICO SOBREORGANISMOS/CÉLULAS MICRO E MACROSCÓPICAS, UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA- UNEB, CAMPUS XXIV, XIQUE-XIQUE-BAHIA

Darcy Ribeiro Castro

Resumo


Este trabalho é resultante de parte de um curso de extensão sobre a biologia celular prática realizada no Laboratório Multidisciplinar (LM) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Campus XXIV- Xique-Xique-BA em 2017 com 26 estudantes dos Cursos de Engenharia de Pesca e de Engenharia Sanitária e Ambiental. Envolve um estudo sobre estrutura e função de organismos unicelulares microscópicos ou macroscópicos, células macroscópicas e seres pluricelulares microscópicos ou macroscópicos pequenos. Teve como objetivo caracterizar estruturas pluricelulares microscópicas ou macroscópicas (o rotífero Keratella cochelaris, o cladocera Daphnia sp, o grão de pólen e o óvulo da flor da erva beijo- de- frade) ou pluricelulares macroscópicas pequenas (o fio de cabelo e o óvulo da banana), células macroscópicas (o alvéolo da laranja e a fibra de algodão). Para isso, foram realizadas 8 atividades práticas. As amostras foram coletadas em seu meio natural (rio São Francisco), no quintal de casa e observadas no laboratório a olho nu, com o auxilio do Microscópio Estereoscópico Binocular (MEB) e do Microscópio Óptico Comum (MOC), sob aumentos de 4, 10, 20 e 40x. Os registros foram feitos com um celular digital e nota de campo e os dados analisados conforme os referenciais da área. Caracterizou-se em geral o tamanho, a estrutura, a forma e/ou organização dos seres vivos/células com suas respectivas funções e implicações para a formação dos profissionais nas áreas de engenharia de pesca, engenharia sanitária e ambiental e cursos afins. Ademais, indicaram-se a necessidade da continuidade do estudo e o desenvolvimento novos trabalhos na área, a fim de contribuir para ampliação do conhecimento sobre a biologia celular.

Palavras-chave


Atividades práticas; biologia celular; seres vivos/células; organismos microscópicos; células macroscópicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AI-ZHONG LIU, DE-ZHU LI & XI-WEN LI. 2002.Taxonomic notes on wild bananas (Musa) from China. Bot. Bull. Acad. Sin. 43: 77-81.

BARBOSA, A. O. Aspectos reprodutivos e fertilidade em bananeiras diplóides e triplóides. 2012. Dissertação (mestrado)-Universidade Federal do RecôncavoBaiano. 2015.

BOWMAN, T. E.; ABELE.L. G. 1982. Classification of the Recent Crustacea.Pp. 1–27 in L. G. Abele, ed. Systematics, the Fossil Record, and Biogeography.Vol. 1 of The Biology of Crustacea (D. E. Bliss, editor-in-chief). Academic Press, New York.

BRUSCA, Richard. C.; BRUSCA, Gary. J. Invertebrados. 2ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2007. p.1098."

BUSRI, N.G.; CHAPMAN, P.; GREENHAM, J.1993.Theembellum. A newly defined structure in the grass ovule Sexual Plant Reproduction 6:191-198.

CALBO, A. G.; NERY, A. A.; HERRMANN, P. S. P. Intercellular deformations in compressed organs.AnnalsofBotany, London, v. 76, p. 365-370, 1995

CALBO, A. G.; MORETTI, C. L.; HENZ, G.P. Comunicado Técnico: Respiração de Frutas e Hortaliças- EMBRAPA. Novembro, 2007 Brasília, DF.

AUTOR. Estudo de Conceitos de Seres Vivos nas Séries Iniciais. 2010. Dissertação (mestrado)- Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2010.

AUTOR. (2011a). O conhecimento prático dos estudantes do Ensino Fundamental I a partir de observações microscópicas. Experimentação em Ensino de Ciência, 6(2), p. 31-49.

AUTOR. Estudo de Conceitos de Estrutura e Funcionalidade de Seres Vivos no Ensino Fundamental I. 2014. Tese (doutorado)- Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2014.

AUTOR. (2016a). As concepções sobre Ser Vivo/Célula dos Estudantes do 3º semestre do Curso de Engenharia de Pesca do Campus XXIV- Xique-Xique-BA. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 9, n. 1, p. 301-325, jan./abr.

AUTOR. Os conhecimentos prévios sobre ser vivo/célula dos estudantes ingressos no curso de engenharia de pesca. Revista Ensaio | Belo Horizonte | v.18 | n. 3 | p.73-96 | set-dez | 2016b.

AUTOR. Compreensão dos estudantes do Ensino Fundamental I sobreestrutura e funcionalidade micro-organismos/células. Experiências em Ensino de Ciências V.12, No.3, 2017.

ELMOOR-LOUREIRO, L. M.A. Manual de identificação de cladóceroslímnicos do Brasil. Brasília: Universa, 1997. 156p.

ESAU, K. Plant anatomy. New York: John Wiley, 1964. 767 p.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de Limnologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1998. 602p.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia. 3 ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2011. 826p.

FERREIRA, A.G. Citologia Vegetal. Editora Meridional "Emma”. Universidade Cornel.1966.

FERRI, M. G.; MENEZES, N. L.; MONTEIRO-SCANAVACCA, W. R. Glossário ilustrado de botânica. São Paulo: Nobel, 1981, 197p.

FERRI, M. G. (Coord.) Fisiologia Vegetal. Volumes 1. e 2. 2nd ed. São Paulo: EPU, 1985, 361p.

GLERL - NOAA.Crustacean Zooplankton of the Great Lakes.Disponívelem:

https://www.glerl.noaa.gov/seagrant/GLWL/Zooplankton/Zooplankton.html>.Acesso em: Jun 2017.

GONZALEZ, A. M. Tesisdoctoral: Estudios Anatómicos em los géneros Piriqueta y Turnera (Turneraceae). Universidad Nacional de Córdoba, Argentina. 2000.

GUREVITCH J; SCHEINER, S. M.; FOX, G. A.. Ecologia Vegetal. 2ª ed. Porto Alegre, Editora Artmed, 2009.

HICKMAN, C. P. Jr.; ROBERTS, L.S.; LARSON, L. 2004. Princípios integrados de Zoologia. 11ª. ed. Rio de Janeiro, Guanabara.

HILDEBRAND, M; GOSLOW, J. G. Análise da estrutura dos vertebrados. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2006.

HOBOLD, V. Avaliação de metodologias para análise toxicológica utilizando algas do tipo Scenedesmussubspicatus e Daphnia magna. Trabalho de Conclusão de Curso ao Curso de Engenharia Ambiental – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Santa Catarina, 2007.

JUDD, W. S., CAMPBELL, C. S.; KELLOGG, E. A.; STEVENS, P. F.; DONOGHUE, M. J. . Sistemática Vegetal - 3. ed.: Um Enfoque Filogenético. Artmed Editora, 1 de jan de 2009 - 632 páginas.

KARDONG, K.V. 2011. Vertebrates: Comparative anatomy, Function, Evolution. 4th Ed. Boston, McGraw-Hill InternationalEdition.

MARTIN; JOEL, W.; DAVIS, GEORGE E. (2001). An Updated Classification of the Recent Crustacea (PDF).Natural HistoryMuseumof Los Angeles County. pp. 1–132.

MENEZES, M.C. Sementes de banana: resgate de embriões, dessecação e criopreservação. 2011. Dissertação (mestrado)- Universidade Federal do Recôncavo Baiano. 2014.

PECHENIK, J. A. Biologia dos Invertebrados. 7ed. Editora McGraw-Hill, New York, 2008.

PIO L. A. S. Viabilidade do pólen de citros em diferentes condições de armazenamento. 2003.Dissertação (mestrado)-Universidade Federal de Lavras. Lavras, 2003.

POUGH, F. H; HEISER, J. B; JANIS, C. M. A vida dos vertebrados. 4 ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

POZEBON, D.; DRESSLER, V. L.; CURTIUS, A. J. Análise de cabelo: uma revisão dos procedimentos para a determinação de elementos traços e aplicações. Revista Química Nova. Florianópolis, v. 22, n.6, 1999.

REID, J. W. Chave de identificação e lista de referências bibliográficas para as espécies continentais sul-americanas de vida livre da ordem cyclopoida (crustacea, copepoda). Bolm. Zool.t Univ. S. Paulo 3:17-143, 2017.

RIBEIRO, M. S. L.; BARBERI, M. Análise palinológica: fundamentos na perspectiva na pesquisa arqueológica.Goiânia, v.3, n.2, p. 261-290, 2005.

RUPPERT, E. E.; BARNES, R.D. Zoologia dos Invertebrados. 6 ed. São Paulo: Ed. Roca, 1996.

RUPPERT, E. E.; FOX, R., S.; BARNES, R.D. Zoologia dos Invertebrados: uma abordagem funcional – evolutiva. 7 ed. São Paulo: Ed. Roca, 2005.

STRASSBURGER, E. 1994. Tratado de Botánica. 8va. edición. Omega, Barcelona, 1088 p.

TAKHTAJAN, A.1991.Evolutionary Trends in Flowering Plants.Columbia University Press.

TOMLINSON, P.B., J.E. BRAGGINS.; J.A. RATTENBURY. 1991. Pollination drop in relation to cone morphology in Podocarpaceae: a novel reproductive mechanism. Amer.J.Bot. 78: 1289 -1303.

TOMLINSON, P.B. 1992. Aspects of Cone Morphology and Development in Podocarpaceae (Coniferales).Internat. J. Pl. Sci. 153: 572-588.

TRAVERSE. A. 1988.Paleopalynology.Unwin Hyman. Boston, 600 pp.

TROTMAN, E.R. Dyeing and Chemical Technology of Textile Fibers, 6th edition, Edward Arnold, London, 1984.

TUERO, J. N.; RODRÍGUEZ, J. M. La pulga de agua: excelente recurso enlaDidáctica de laBiología. Revista Digital de CienciasBezmiliana, 2012. http://www.clubcientificobezmiliana.org/pdf/Pulga.pdf

Málaga, Espanha

VIDAL, W. N. VIDAL, M. R. R.BOTANICA – Organografia; quadros sinóticos ilustrados de fanerógamos - 4. ed. rev. ampl.-Viçosa: UFV, 2003.124p.

WITTY, L. M. Practical guide to identifying freshwater crustacean zooplankton. Cooperative Freshwater Ecology Unit 2004, 2nd edition.






Direitos autorais 2019 Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, Florianópolis, Brasil. ISSN 2594-6412 (eletrônico) Indexada REDIB http://www.redib.org/