Comunicação alternativa tátil: recursos e estratégias para crianças com deficiência múltipla sensorial

Flavia Daniela dos Santos Moreira

Resumo



Introdução: Neste trabalho encontram-se os dados provenientes da primeira etapa da tese de doutorado intitulada “PACT – Programa de Comunicação Alternativa Tátil para Crianças com Deficiência Múltipla Sensorial”. Estes dados foram coletados entre maio e novembro de 2017 para responder a questão: a comunicação alternativa tátil – por meio de gestos, objetos e símbolos táteis – pode favorecer atos comunicativos e comportamentos de ações de crianças com deficiência múltipla sensorial? Referencial Teórico: Para fundamentar a referida temática recorreu-se a diversos autores, dentre os quais citamos alguns como: Orelove, Sobsey (1996), Hagood (1992), Carvalho (2000), Sigafoos (2000), Horn e Kang (2012) entre outros. Objetivo: Elaborar um programa de comunicação alternativa tátil – baseado na associação de gestos, objetos e símbolos táteis – e avaliar seus efeitos mediante a manifestação de atos comunicativos por crianças com deficiência múltipla sensorial. Método: Participaram três crianças com deficiência visual e múltipla. O delineamento foi o quase experimental A-B, sendo A linha de base e B intervenção. Variáveis: Variável Dependente – comportamentos de ações e atos comunicativos das crianças; Variável Independente – programa de comunicação alternativa tátil. Resultados e conclusão: O uso do referido programa tátil favoreceu habilidades comunicativas em crianças com deficiência múltipla sensorial não verbais.


Palavras-chave


Crianças; Deficiência Múltipla Sensorial; Comunicação Alternativa Tátil;

Texto completo:

PDF

Referências


BOAS, D. C. V. et. al. Análise dos processos de atenção e interação em criança com deficiência múltipla sensorial. Audiology – Communicaton Research, São Paulo, v. 22, 2017.

CADER-NASCIMENTO, F. A. A. A.; COSTA, M. P. R. Descobrindo a surdocegueira: educação e comunicação. São Calos/SP: EdUFSCar, 2010.

CARVALHO, E. N. S. Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental: deficiência múltipla – Vol. 1. Fascículos I – II – III. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2000.

CHEN, D. Learning to Communicate: Strategies for Developing Communication with Infants Whose Multiple Disabilities Include Visual Impairment and Hearing Loss. ReSources – California Deaf-Blind Services, Comunication Issue, Summer, n. 5, v. 10, 1999.

________.; DOWNING, J.; RODRIGUEZ-GIL, G. Tactile Strategies for children who are deaf-blind: Considerations and concerns from Project SALUTE. Deaf-Blind Perspectives, n. 8, v. 2, p.1-6, 2001.

GODÓI, A. M. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão – dificuldades acentuadas de aprendizagem: deficiência múltipla. 4ª ed. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

HABERMAS, J. The theory communicative action. Vol. 2. Beacon Press: Boston, 1987.

HAGOOD, L. Communication: a guide for teaching students with visual and multiple impairments. Austin, Texas: TSBVI, 1992.

HORN, E. M.; KANG, J. Supporting young children with multiple disabilities: what do we know and what do we still need to learn? Topics in early childhood special education, v.4, n. 31, p. 241–248, Feb. 2012.

LUND, S. K.; TROHA, J. M. Teaching young people who are blind and have autism to make requests using a variation on the picture exchange communication system with tactile symbols: a preliminary investigation. Journal Autism Development Disorders, n. 4, v. 38, p. 719-30, 2008.

MURRAY-BRANCH, J.; BAILEY, B. R.; POFF, L. E. Texture as communication symbols. Special Education Programs (ED/OSERS), Washington, DC.; Indiana State Dept. of Education, Indianapolis. Div. of Special Education, 1998.

___________________.; UDVARI-SOLNER, A.; BAILEY, B. Texture communication systems for individual with severe intellectual and sensory impairments. Language, Speech, and Hearing in Schools, n. 22, p. 260-268, 1991.

NATIONAL CHILDREN'S BUREAU – NCB. Information about multi-sensory impairment. Sense for Early Support: London, 2011.

NUNES, C.; PEDRO, N. Análise das interações sociais entre pais e professores de alunos com multideficiência num ambiente virtual de aprendizagem. Educação, Formação & Tecnologias, n. 5 v.2, p. 25-42, 2012.

NUNES SOBRINHO, F. P. Delineamento de pesquisa experimental intra-sujeitos. In: NUNES SOBRINHO, F. P.; NAUJORKS, M. I. (org.). Pesquisas em educação especial: o desafio da qualificação. Bauru: Edusc, 2001.

ORELOVE, F.; SOBSEY, D. Educating children with multiple disabilities: a trans-disciplinary approach, 3rd edition. Baltimore: Brookes, 1996.

ROWLAND, C.; SCHWEIGERT, P. Tangible symbols: Symbolic communication for individuals with multisensory impairments. Augmentative and Alternative Communication, v. 5, n. 4, p. 226-234, 1989.

______________________________. Tangible symbol systems. 2 ed. Design to Learn: Washigton State University, 2000.

SHUMWAY, S.; WETHERBY, A. M. Communicative acts of children with autism spectrum disorders in the second year of life. Journal of speech, language, and hearing research: JSLHR,52(5), 1139-1156 2009.

SIGAFOOS, J. etl. al. Identifying Potential Communicative Acts in Children with Developmental and Physical Disabilities. Communication and Disorders Quartely, v. 21, n. 2, p. 77-86, 2000.

TRIEF, E. et. al. The development of a universal tangible symbol system. Journal of Visual Impairment and Blindness, 2009.

VAN DIJK, J. The first steps of the deaf-blind child toward language. International Journal for the Education of the Blind, n. 4, v.15, p. 112-114, 1966.

VLASKAMP, C.; van der PUTTEN, A. Focus on Interaction: The use of an individualization support program for person with profound and multiple disabilities. Research in Developmental Disabilities, n. 30, p. 873-883, 2009.

WERNER, H.; KAPLAN, B. Symbol Formation. New York: John Wiley, 1963.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Flavia Daniela dos Santos Moreira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Educação, Artes e Inclusão - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Centro de Artes - CEART -- Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais - PPGAV Fone: +55 (48) 3664-8314 -Laboratório Interdisciplinar de Formação de Educadores - LIFE - ISSN: 1984-3178 -- Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Artes Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88.035-001 -- Email: revistaeducacaoarteinclusao@gmail.com