Efeito de diferentes proporções de moinha de café na composição de substratos alternativos para produção de mudas de pepino

Karoline Matiello Almeida, Paola Afonsa Vieira Lo Monaco, Ismail Ramalho Haddade, Marcelo Rodrigo Krause, Louise Pinto Guisolfi, Lorena Aparecida Merlo Meneghelli

Resumo


Um dos principais fatores relacionados à qualidade das mudas de olerícolas é o tipo de substrato utilizado. Avaliaram-se as variáveis de crescimento de mudas de pepino produzidas em substratos com níveis crescentes de resíduo da secagem dos grãos de café (moinha) em substituição ao uso exclusivo do substrato comercial. O experimento foi realizado no delineamento inteiramente casualizado, com seis tratamentos e dez repetições,  sendo: T1: Substrato comercial (SC); T2: 0% de moinha (MO)+ 40% de casca de arroz carbonizada (CAC) + 15% de fibra de coco (FC) + 5% de casca de ovo (CO) + 40% de SC; T3: 10% de MO + 40% de CAC + 15% de FC + 5% de CO+ 30% de SC; T4: 20% de MO+ 40% de CAC+ 15% de FC + 5% de CO + 20% de SC ; T5: 30% de MO + 40% de CAC + 15% de FC + 5% de CO + 10% de SC; T6: 40% de MO + 40% de CAC + 15% de FC + 5% CO + 0% SC. Avaliou-se condutividade elétrica dos substratos, matéria seca do sistema radicular e parte aérea, altura de plântula, diâmetro de caule e número de folhas. Proporções crescentes de moinha acarretam no aumento da condutividade elétrica do substrato. Proporções em torno de 15 a 20% de moinha na composição do substrato apresentam os maiores valores de matéria seca da parte aérea, de raiz e diâmetro do caule. Proporções de até 30% de moinha em substrato composto por 40% de CAC, 15% de FC, 5% de CO e 10% de SC, também podem ser utilizados sem que haja prejuízo nas variáveis de crescimento de mudas de pepino.



Palavras-chave


resíduos agrícolas, substrato, Cucumis sativus.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JRT et al. 2016. Crescimento inicial e tolerância de cultivares de pepino sob estresse salino. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada 10: 486-495.

ARAÚJO NETO SE et al. 2009. Produção de muda orgânica de pimentão com diferentes substratos. Ciência Rural 39: 1408-1413.

CAVINS TJ et al. 2000. Monitoring and managing pH and EC using the Pour Thru Extraction Method. Orticulture Information Leaflet 590: 1-17.

CARRIJO OA et al. 2002. Fibra da casca do coco verde como substrato agrícola. Horticultura Brasileira 20: 533-535.

CASTOLDI G et al. 2014. Substratos alternativos na produção de mudas de alface e sua produtividade no campo. Revista Ciência Agronômica 45: 299-304.

CERQUEIRA FB et al. 2015. Substratos e recipientes no desenvolvimento de mudas de pepino em alta temperatura. Global Science And Technology 8: 61-73.

COSTA LAM et al. 2013. Avaliação de substratos para a produção de mudas de tomate e pepino. Revista Ceres 60: 675-682.

GRAVINA GA et al. 2004. Transformação de dados nas estimativas de parâmetros genéticos de resistência dos cultivares de soja Uberaba e Bossier à Cercospora sojina Hara. Revista Ceres 51: 215-225.

LARCHER W. 2000. Ecofisiologia vegetal. 1.ed. São Carlos: RIMA. 531p.

LEITE RC et al. 2014. Influência de substratos e recipientes no desenvolvimento de mudas de pepino. In: Amazon Soil – I Encontro de Ciência do Solo da Amazônia Oriental, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, Núcleo Regional Amazônia Oriental, Anais... Trabalhos completos, Gurupi: SBCS. p. 140-150.

LIMA JD et al. 2007. Resíduos da agroindústria de chá preto como substrato para produção de mudas de hortaliças. Ciência Rural 37: 1609-1613.

MAROUELLI WA et al. 2005. Variabilidade espacial do sistema radicular do tomateiro e implicações no manejo da irrigação em cultivo sem solo com substratos. Horticultura Brasileira 23: 57-60.

MATOS AT. 2015. Manual de análise de resíduos sólidos e águas residuárias. 1.ed, Viçosa: UFV. 149p.

MEDEIROS FM & ALVES MGM. 2014. Qualidade de ovos comerciais. Revista Eletrônica Nutritime 11: 3515-3524.

MENEGHELLI CM et al. 2016. Resíduo da secagem dos grãos de café como substrato alternativo em mudas de café Conilon. Coffee Science 11: 329-334.

OLIVEIRA FA et al. 2015. Emergência e crescimento inicial de plântulas de beterraba cv. Chata do Egito sob estresse salino. Agropecuária Científica no Semiárido 11: 1-6.

PAIXÃO MVS et al. 2012. Frações orgânicas e mineral na produção de mudas de mamoeiro. Revista Brasileira de Fruticultura 34: 1105-1112.

RIBEIRO MCC et al. 2001. Efeito da salinidade na germinação de sementes de quatro cultivares de girassol (Helianthus annuus L.). Revista Brasileira de Sementes 23: 281-284.

SANTOS MR et al. 2010. Produção de mudas de pimentão em substratos à base de vermicomposto. Bioscience Journal 26: 572-578.

SILVA LJB et al. 2009. Produção de mudas de rúcula em bandejas com substratos a base de resíduos orgânicos. Ciência e Agrotecnologia 33: 1301-1306.

SILVA EF et al. 2014. Qualidade de mudas de pepino produzidas em substratos à base de esterco ovino. Agropecuária Científica no Semiárido 10: 93-99.

UFV. 2007. Universidade Federal de Viçosa. SAEG - Sistema para análises estatísticas. Versão 9.1. Viçosa: Fundação Arthur Bernardes (CD-ROM).




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018515

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171