Qualidade do carvão vegetal obtido a partir da espécie Cecropia glaziovii Sneth. produzido na agricultura familiar em Santa Catarina

Adriel Furtado de Carvalho, Martha Andreia Brand, Pedro Higuchi, Ana Carolina da Silva

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade do carvão vegetal da espécie Cecropia glaziovii, produzido em pequenas propriedades rurais, no município de Biguaçu, estado de Santa Catarina, e em laboratório e comparar suas propriedades ao carvão vegetal de outras espécies. Foram analisadas amostras de carvão de três fontes: amostras de carvão de Cecropia glaziovii coletadas dos fornos de alvenaria (1), amostras de carvão produzido nestes mesmos fornos, porém a partir de várias espécies diferentes (2) e amostras obtidas a partir da carbonização em laboratório da madeira de três árvores de Cecropia glaziovii coletada nas mesmas propriedades rurais (3). Determinou-se o poder calorífico superior, porcentagem de voláteis e carbono fixo e teor de cinzas. Analisando as amostras de carvão vegetal, as médias para análise energética mostraram que o carvão vegetal da amostra 2 apresentou melhores características comparadas às amostras 1 e 3. A amostra 2 apresentou maior poder calorífico superior (PCS – 7.281 Kcal/Kg a 7.336 Kcal/Kg), menor teor de voláteis (TV – 26,26%), menor teor de cinzas (TC – 2,05 a 2,46%) e maior teor de carbono fixo (66,02%). As médias das propriedades da amostra 3 também foram comparadas com outras espécies de importância comercial para produção de carvão. O poder calorífico superior (6.573 Kcal/Kg) e porcentagem de carbono fixo (61,32%) foram respectivamente inferiores quando comparados ao carvão de outras espécies: Mimosa scabrella (7.201,28 Kcal/Kg; 85,40%), Eucalyptus bentamii (8.777 Kcal/Kg; 81,85%) e Eucalyptus grandis (7.632 Kcal/Kg; 75-80%). A porcentagem de voláteis (35,00%) e teor de cinzas (3,68%) foram superiores respectivamente aos das outras espécies: Mimosa scabrella (12,70%; 1,90%), Eucalyptus bentamii (17, 17%; 0,96%) e Eucalyptus grandis (20-25%; 1,70%). Os resultados indicam que a qualidade do carvão Cecropia glaziovii é inferior em comparação com outras espécies, porém se aceita o uso, devido à abundância da espécie nesta região.


Palavras-chave


propriedades energéticas, carbonização, carvão domiciliar.

Texto completo:

PDF

Referências


ASTM. 2007. American Society for Testing and Material. ASTM D 1762 – 84: Standard Test Method for Chemical Analysis of Wood Charcoal. West Conshohocken: ASTM International. 2p.

ABNT. 2003. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14929: Madeira - Determinação do teor de umidade de cavacos - Método por secagem em estufa. Rio de Janeiro: ABNT. 3p.

BRAND MA et al. 2013. Análise da qualidade da madeira e do carvão vegetal produzido a partir da espécie Miconia cinnamomifolia (De Candolle) Naudin (Jacatirão-açu) na agricultura familiar, em Biguaçu, Santa Catarina. Scientia Forestalis 41: 401-410.

BRAND MA et al. 2015. Quality of charcoal for domestic consumption marketed in the Southern Highlands Region of Santa Catarina. Árvore 39: 1165-1173.

BRASIL MAA & FERREIRA M. 1971. Variação da densidade básica da madeira de Eucalyptus alba Reinw, E. saligna Smith e E. grandis, Hill ex-Maiden aos cinco anos de idade, função do local e do espaçamento. Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais 2: 129-149.

BROGNI E et al. 2004. Massa específica, contração, rigidez e resistência a flexão estática da madeira de Eucalyptus benthamii, Acacia mangium, Liquidambar styraciflua e Spathodea campanulata. In: 1 Congresso Brasileiro de Industrialização da Madeira e Produtos de Base Florestal. Resumos... Pinhais: FAPESP.

DIN. 2000. Deutsches Institut Für Normung. DIN 51900: Determining the gross calorific value of solid and liquid fuels using the bomb calorimeter, and calculation of net calorific value. Berlim: Standards Library.

FOREST PRODUCTS LABORATORY. 1974. Wood handbook: Wood as an engineering material. Washington: Superintendent of Documents U.S. Government Printing Office. 521p. (Agriculture Handbook 72).

FRIEDERICHS G et al. 2015. Qualidade da madeira e do carvão vegetal de bracatinga (Mimosa scabrella Benth.). Revista Ciência da Madeira 6: 78-87.

IBGE. 2019. IBGE Censo Agropecuário 2016. Resultados preliminares 2017. Disponível em: . Acesso em: 06 mai. 2019.

INCRA. 2019. Classificação dos imóveis rurais. Disponível em: . Acesso em: 06 mai. 2019.

LIMA EA et al. 2011. Caracterização Dendroenergética de árvores de Eucalyptus bentamii. Pesquisa Florestal Brasileira 31: 9-17.

LINDEMANN RH. 2010. Ensino de química em escolas do campo com proposta agroecológica: contribuições a partir da perspectiva freireana de educação. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica). Florianópolis: UFSC. 339p.

LINGNER DV et al. 2013. Grupos florísticos estruturais da Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina. In: VIBRANS AC et al. (Eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Vol. IV. Floresta Ombrófila Densa. Blumenau. Edifurb. p. 143-157.

LORENZI H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2.ed. Nova Odessa: Plantarum. 368p.

OLIVEIRA AC et al. 2012. Avaliação de diferentes níveis de desbastes nas propriedades da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla. Floresta 42: 59-68.

PIMENTA AS & BARCELLOS DC. 2000. Como produzir carvão para churrasco. Viçosa: CPT. 76p.

RIBEIRO PG & VALE AT. 2006. Qualidade do carvão vegetal de resíduos de serraria para o uso doméstico. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Resumos... Belém: SBPC. 1p.

SÃO PAULO. 2015. Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Resolução n°40 SAA, de 14 de dezembro de 2015. 11p.

SIMINSKI A & FANTINI AC. 2007. Roça-de-toco: uso de recursos florestais e dinâmica da paisagem rural no litoral de Santa Catarina. Ciência Rural 37: 1-10.

STEENBOCK W. 2009. Domesticação de bracatingais: perspectivas de inclusão social e conservação ambiental. Tese (Doutorado em Recursos Genéticos Vegetais). Florianópolis: UFSC. 262p.

ULLER-GÓMEZ C & GARTNER C. 2008. Um caminho para conhecer e transformar nossa comunidade. Relatório final de pesquisa vinculada ao TOR 23/2006. Florianópolis: EPAGRI. 111p.

VALENTE OF et al. 1985. Efeito da temperatura de carbonização nos rendimentos e propriedades do carvão vegetal produzido. Árvore 9: 28-39.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711912020132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171