Índice de área foliar e SPAD durante o ciclo da soja em função da densidade de plantas e sua relação com a produtividade de grãos

Anderson Hideo Yokoyama, Alvadi Antonio Balbinot Junior, Claudemir Zucareli, Ricardo Henrique Ribeiro

Resumo


A densidade de semeadura na cultura da soja provoca diversas modificações morfofisiológicas nas plantas, podendo alterar o crescimento e a produtividade de grãos. Objetivou-se avaliar o efeito de densidades de plantas de soja sobre o índice de área foliar (IAF) e índice SPAD (Soil Plant Analysis Development) durante o ciclo de desenvolvimento da cultura, correlacionando esses dados com a produtividade de grãos. O experimento foi conduzido na safra 2015/16, na área experimental da Embrapa Soja, Londrina, PR, em delineamento experimental de blocos completos casualizados, com cinco repetições. Foram avaliadas as densidades de 120, 230, 340 e 380 mil plantas aptas ha-1, em espaçamento de 0,45 m entre fileiras, utilizando a cultivar BRS 359 RR, que apresenta tipo de crescimento indeterminado e arquitetura compacta de plantas. Constatou-se que o aumento da densidade de plantas de soja incrementa o IAF até o estádio R3, mas, após essa fase, o IAF não varia entre as densidades. A densidade de plantas de soja não altera o índice SPAD até o estádio R5.4. Durante o crescimento vegetativo não há correlação entre o IAF e o índice SPAD com a produtividade de grãos, porém na fase de enchimento de grãos há correlações positivas entre essas variáveis.


Palavras-chave


Glycine max L., spatial plant arrangement, plant growth, phenological stages.

Texto completo:

PDF

Referências


BALBINOT JUNIOR AA et al. 2015. Densidade de plantas na cultura da soja. Londrina: Embrapa. 38p. (Documentos 364).

BALBINOT JUNIOR AA et al. 2016. Semeadura cruzada, espaçamento entre fileiras e densidade de semeadura influenciando o crescimento e a produtividade de duas cultivares de soja. Revista de Ciências Agroveterinárias 15: 83-93.

BOARD JE & HARVILLE BG. 1992. Explanations for greater light interception in narrow vs. Wide-row. Crop Science 32: 198-202.

BORRÁS L et al. 2004. Seed dry weight response to source–sink manipulations in wheat, maize and soybean: a quantitative reappraisal. Field Crops Research 86: 131-146.

COX WJ & CHERNEY JH. 2011. Growth and yield responses of soybean to row spacing and seeding rate. Agronomy Journal 103: 123-128.

DERMODY O et al. 2006. How does elevated CO2 or ozone affect the leaf area index of soybean when applied independently? New Phytologist 169: 145-155.

FEHR WR & CAVINESS CE. 1977. Stages of soybean development. Ames: Iowa State University of Science and Technology. 15p. (Special Report 80).

FERREIRA AS et al. 2016. Plant density and mineral nitrogen fertilization influencing yield, yield components and concentration of oil and protein in soybean grains. Bragantia 75: 362-370.

FERREIRA DF. 2010. SISVAR. Sistema de análise de variância. Versão 5.3. Lavras-MG: UFLA.

HEIFFIG LS et al. 2006. Fechamento e índice de área foliar da cultura da soja em diferentes arranjos espaciais. Bragantia 65: 285-295.

KASCHUK G et al. 2010. Differences in photosynthetic behavior and leaf senescence of soybean (Glycine max [L.] Merrill) dependent on N2 fixation or nitrate supply. Plant Biology 12: 60-69.

KUSS RCR et al. 2008. Populações de plantas e estratégias de manejo da irrigação na cultura da soja. Ciência Rural 38: 1133-1137.

LINZMEYER JUNIOR R et al. 2008. Influência de retardante vegetal e densidades de plantas sobre o crescimento, acamamento e produtividade da soja. Acta Scientiarum. Agronomy 30: 373-379.

LUDWIG MP et al. 2007. Efeito da densidade de semeadura e genótipos no rendimento de grãos e seus componentes na soja semeada após a época indicada. Revista da FZVA 14: 13-22.

MOREIRA EN et al. 2015. Temporal dynamics of soybean rust associated with leaf area index in soybean cultivars of different maturity groups. Plant Disease 99: 1216-1226.

PROCÓPIO SO et al. 2013. Plantio cruzado na cultura da soja utilizando uma cultivar de hábito de crescimento indeterminado. Revista de Ciências Agrárias 56: 319-325.

RICHTER GL et al. 2014. Estimativa da área de folhas de cultivares antigas e modernas de soja por método não destrutivo. Bragantia 73: 416-425.

RITCHIE SW et al. 1994. How a soybean plant develops. Ames: Iowa State University of Science and Technology: Cooperative Extension Service. 20p. (Special Report, 53).

SALVAGIOTTI F et al. 2008. Nitrogen uptake, fixation and response to fertilizer N in soybeans: A review. Field Crops Research 108: 1-13.

SANT’ANA EVP et al. 2010. Adubação nitrogenada na produtividade, leitura SPAD e teor de nitrogênio em folhas de feijoeiro. Pesquisa Agropecuária Tropical 40: 491-496.

SANTOS HG et al. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3.ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 353p.

SRINIVASAN V et al. 2017. Decreasing, not increasing, leaf area index will raise crop yields under global atmospheric change. Global Change Biology 23: 1626-1635.

SUHRE JJ et al. 2014. Soybean yield partitioning changes revealed by genetic gain and seeding rate interactions. Agronomy Journal 106: 1631-1642.

WERNER F et al. 2016. Soybean growth affected by seeding rate and mineral nitrogen. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 20: 734-738.

ZANON AJ et al. 2015. Contribuição das ramificações e a evolução do índice de área foliar em cultivares modernas de soja. Bragantia 74: 279-290.

ZOTARELLI L et al. 2002. Calibração do medidor de clorofila Minolta SPAD-502 para uso na cultura do milho. Rio de Janeiro: Embrapa Agrobiologia. 4p. (Comunicado técnico 55).




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018531

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171