Qualidade da silagem de trigo produzida sob níveis de adubação nitrogenada em dois estádios fenológicos

Felipe de Lima Wrobel, Mikael Neumann, Guilherme Fernando Mattos Leão, Itacir Eloi Sandini, Mailson Poczynek, Fabiano Marafon

Resumo


O objetivo do trabalho foi avaliar os efeitos de dois níveis de adubação nitrogenada em cobertura (88 kg ha-1 e 148 kg ha-1) na produção de silagem do trigo cultivar BRS Umbu, colhido em dois estádios fenológicos (pré-florescimento e grão farináceo). Foram avaliadas as produções de fitomassa fresca e seca, composição morfológica e bromatológica das silagens. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso em esquema fatorial 2x2, sendo dois níveis de adubação nitrogenada em cobertura e dois estádios de colheita, com quatro repetições. Houve interação (p<0,05) entre os níveis de adubação nitrogenada e os estádios fenológicos de colheita para fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA) da silagem. O trigo cultivado com nível de 88 kg N ha-1 e colhido no estádio fenológico grão farináceo apresentou os menores teores de FDN (57,52%) e FDA (34,62%) comparativamente ao cultivo com nível de 148 kg N ha-1 no mesmo estádio de colheita. A colheita em pré-florescimento promoveu maior produção de fitomassa fresca (25.178 contra 20.646 kg ha-1), entretanto, houve maior produção de fitomassa seca no estádio de grão farináceo (9.792 contra 4.808 kg ha-1). Os teores de proteína bruta foram maiores na silagem colhida em estádio de pré-florescimento quando comparada a de grão farináceo, com 11,55 e 6,96%, respectivamente. Na avaliação conjunta dos resultados, é possível concluir que a silagem de trigo colhida em estádio de grão farináceo e com adubação nitrogenada de 88 kg ha-1 possibilitou os melhores resultados produtivos e nutricionais.


Palavras-chave


alimentos conservados, fibra em detergente neutro, grão-farináceo, pré-florescimento, proteína bruta.

Texto completo:

PDF

Referências


BECK PA et al. 2009. Effect of wheat forage maturity and preservation method on forage chemical composition and performance of growing calves fed mixed diets. Journal of Animal Science 87: 4133-4142.

BUMBIERIS JUNIOR VH et al. 2011. Use of winter cultures for forage conservation. In: DANIEL JLP et al. Forage quality and conservation. II International symposium on forage quality and conservation. Anais… Piracicaba: FEALQ. p. 65-83.

CARLETTO R. 2013. Características agronômicas e forrageiras de trigo duplo propósito submetido a sistemas de corte na cv. brs umbu. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Guarapuava: UNICENTRO. 92p.

COBLENTZ WK & WALGENBACH RP. 2010. Fall growth, nutritive value, and estimation of total digestible nutrients for cereal-grain forages in the north-central United States. Journal of Animal Science 88: 383-399.

CQFS RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: SBCS - Núcleo Regional Sul/UFRGS. 400p.

CRUZ JL et al. 2007. Níveis de nitrogênio e a taxa fotossintética do mamoeiro “Golden”. Ciência Rural 37: 64-71.

DAVID DB et al. 2010. Nutritional value of black and white oat cultivars ensiled in two phenological stages. Revista Brasileira de Zootecnia 39: 1409-1417.

FONTANELI RS & FONTANELI RS. 2009. Silagem de cereais de inverno. In: FONTANELI RS et al. Forrageiras para integração lavoura-pecuária-floresta na região sul-brasileira. Passo Fundo: EMBRAPA TRIGO. 329p.

FONTANELI RS et al. 2009. Rendimento e valor nutritivo de cereais de inverno de duplo propósito: forragem verde e silagem ou grãos. Revista Brasileira de Zootecnia 38: 2116-2120.

GOERING HK & VAN SOEST PJ. 1970. Forage fiber analysis: apparatus reagents, procedures and some applications. Washington: Agricultural Handbook. 379p.

GOMIDE JA. 1976. Composição mineral de gramíneas e leguminosas forrageiras tropicais. In: Simpósio latino-americano sobre pesquisa em nutrição mineral de ruminantes e pastagens. Anais... Belo Horizonte: EPAMIG. p.20-33.

HAAG HP. 1984. Nutrição mineral de forrageiras no Brasil. Campinas: Fundação Cargill. 152p.

HASTENPFLUG M. 2009. Desempenho de cultivares de trigo duplo propósito sob doses de adubação nitrogenada e regime de cortes. Dissertação (Mestrado em agronomia – produção vegetal). Pato Branco: UTFPR. 65p.

KUNG JÚNIOR L et al. 2003. Silage additives. In: BUXTON DR et al. Silage science and technology. Madison: American Society of Agronomy; Crop Science Society of America; Soil Science Society of America. p. 305-360.

LARGE EC. 1954. Growth stages in cereals illustration of the Feeks scales. Plant Pathology 3: 128-129.

MALAVOLTA E. 2006. Manual de nutrição de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres. 638p.

MEINERZ GR et al. 2011. Silagem de cereais de inverno submetidos ao manejo de duplo propósito. Revista Brasileira de Zootecnia 40: 2097-2104.

NABINGER C & PONTES LS. 2001. Morfogênese de plantas forrageiras e estrutura do pasto. In: Reunião anual da sociedade brasileira de zootecnia. Anais...Piracicaba: SBZ. p. 755-771.

NERES MA et al. 2011. Production of tifton 85 hay overseeded with white oats or ryegrass. Revista Brasileira de Zootecnia 40: 1638-1644.

OLIVEIRA MR. 2014. Qualidade de silagens de trigo e milho e desempenho de novilhos confinados. Tese (Doutorado em Zootecnia). Maringá: UEM. 75p.

PIETRO-SOUZA W et al. 2013. Desenvolvimento inicial de trigo sob doses de nitrogênio em Latossolo Vermelho de Cerrado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 17: 575-580.

ROOKE JA & HATFIELD RD. 2003. Biochemistry of ensiling. In: Silage Science and Technology. Madison: American Society of Agronomy; Crop Science Society of America; Soil Science Society of America. p. 95-135.

SANTOS PM. 2004. Aspectos fisiológicos e metabólicos da nutrição nitrogenada de plantas forrageiras. In: Simpósio sobre manejo da pastagem. Anais... Piracicaba: FEALQ. p. 139-151.

SAS INSTITUTE. 1993. SAS/STAT. User’s guide statistics. 4.ed. Version 6. Cary, North Caroline 2. 943p.

SILVA DJ & QUEIROZ AC. 2009. Análise de Alimentos, métodos químicos e biológicos. 3ª. ed. 4ª impressão. Viçosa: UFV. 235p.

SLEEPER DA & POEHLMAN JM. 2006. Breeding field crops. 5.ed. Ames: Blackwell Pub Iowa, 424p.

TAIZ L & ZEIGER E. 2009. Fisiologia vegetal. 4.ed. Porto Alegre: Artmed. 848p.

TEIXEIRA FILHO MCMT et al. 2010. Doses, fontes e épocas de aplicação de nitrogênio em trigo irrigado em plantio direto. Pesquisa Agropecuária Brasileira 45: 797-804.

VAN SOEST PJ. 1994. Nutritional ecology of the ruminant. 2.ed. New York: Cornell University Press. 476p.

VAN SOEST PJ et al. 1991. Methods for dietary fiber, neutral detergent fiber, and nonstarch polysaccharides in relation to animal nutrition. Journal of dairy Science 74: 3583-3597.

WEINBERG ZG et al. 2010. Effects of stage of maturity at harvest, wilting and LAB inoculant on aerobic stability of wheat silages. Animal Feed Science and Technology 158: 29-35.

WILSON JR & MANNETJE L. 1978. Senescence, digestibility and carbohydrate content of Buffel grass and Green Panic leaves in swards. Australian Journal of Agricultural Research 29: 503-516.

ZAGONEL J et al. 2002. Doses de nitrogênio e densidades de plantas com e sem um regulador de crescimento afetando o trigo, cultivar OR 1. Ciência Rural 32: 25-29.

ZAMARCHI G. 2013. Composição bromatológica de silagem de aveia submetida à adubação nitrogenada e estádios fenológicos de ensilagem. Dissertação (Mestrado em Zootecnia). Dois Vizinhos: UTFPR. 63p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018539

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171