Cinza de biomassa é um produto eficiente para uso em sistema de produção de cereais em base agroecológica?

José Alfredo da Fonseca, Ana Lúcia Hanisch

Resumo


Foi avaliada durante quatro anos, a capacidade da cinza de biomassa (CB) na construção da fertilidade do solo em sistema de produção de cereais em base agroecológica. O delineamento experimental foi em blocos completos casualizados, com seis doses: 0, 2, 4, 6, 8 e 10 Mg ha-1 de CB e três repetições. Após correção do solo e cultivo de um consórcio de adubação verde de verão e de inverno, deu-se início à seguinte sequência de cultivos: milho; ervilhaca; milho; ervilhaca + aveia; milho; aveia; soja; todos sem aplicação de fertilizantes. Após a primeira e a quarta safras, foram coletadas amostras de solo, na camada de 0-0,20 m para análise de atributos de fertilidade. Houve aumento linear dos teores de P e K no solo com a adição da CB, mas, não houve efeito sobre o pH, teores de Ca e Mg e de metais pesados do solo. As produtividades de milho e soja não foram afetadas pela aplicação da CB em nenhum ano. Assim, o uso da CB em sistema agroecológico de produção não apresenta efeitos nocivos ao sistema e é uma fonte segura de K, devido à ausência de fontes não solúveis deste elemento serem uma das limitações para suprimento deste nutriente às culturas.


Palavras-chave


adubação verde, manejo do solo, resíduos, sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA HC et al. 2007. Composição química de um resíduo alcalino da indústria de papel e celulose (DREGS). Química Nova 30: 1669-1672.

BALBINOT JUNIOR AA et al. 2006. Alteração das características químicas de um solo ácido pela aplicação de calcário e resíduos de reciclagem de papel. Revista de Ciências Agroveterinárias 5: 16-25.

CETESB. 2014. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Valores orientadores para solos e águas subterrâneas no Estado de São Paulo. Disponível em: Acesso em: 5 ago. 2014.

CONAMA. 2009. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº420 de 28 de dezembro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2014.

CQFS RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo - RS/SC. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: SBCS/Núcleo Regional Sul. 394p.

CROSS A& SCHLESINGER W. 1995. A literature review and evaluation of the. Hedley fractionation: Applications to the biogeochemical cycle of soil phosphorus in natural ecosystems. Geoderma 64: 197–214.

DAROLT MR et al. 1993. Cinza vegetal como fonte de nutrientes e corretivo de solo na cultura da alface. Horticultura Brasileira 11: 38-40.

DÈRE C et al. 2007. Long-term fate of exogenous metals in a sandy Luvisol subjected to intensive irrigation with raw wastewater. Environmental Pollution 145: 31-40.

FANCELLI AL & DOURADO NETO D. 2005. Produção de milho em terras baixas. In: FANCELLI AL & DOURADO NETO D. (Eds) Milho: tecnologia e produção. Piracicaba: ESALQ. p. 21-33.

FASSBENDER HW & BORNEMISZA E. 1994. Química de suelos con énfasis en suelos de América Latina. 2.ed. San José, Costa Rica: Instituto Internacional de Cooperación para la Agricultura. 420p.

FONSECA JA et al. 2012a. Evolução de características químicas de um Latossolo Vermelho Distrófico típico até o quinto ano após aplicação de resíduos da indústria de celulose. Revista Agropecuária Catarinense 25: 73-79.

FONSECA JA et al. 2012b. Evolução dos teores de metais pesados em um Latossolo Vermelho Distrófico típico pelo uso de um resíduo da indústria de celulose. Revista de Ciências Agroveterinárias 11: 17-25.

GÓMEZ-REY MX et al. 2012. Wood ash effects on nutrient dynamics and soil properties under Mediterranean climate. Annals of Forest Science 69: 569–579.

HANISCH AL et al. 2012. Adubação do milho em um sistema de produção de base agroecológica: desempenho da cultura e fertilidade do solo. Revista Brasileira de Agroecologia 7: 176-186.

HANISCH AL & FONSECA JA. 2013. Efeito da adubação com cinza de biomassa sobre uma pastagem de Hemarthria altissima cv. Flórida cultivada em solo ácido. Revista Agropecuária Catarinense 26: 74-80.

MAEDA S et al. 2008. Resposta de Pinus taeda à aplicação de cinza de biomassa vegetal em Cambissolo Húmico, em vaso. Pesquisa Florestal Brasileira 56: 43-52.

MEDEIROS JC et al. 2008. Calcium: magnesium ratio in amendments of soil acidity: Nutrition and initial development of corn plants in a Humic Alic Cambisol. Semina: Ciências Agrárias 29: 799-806.

NAIDU R et al. 1994. Ionic-strength and pH effects on the sorption of cadmium and the surface charge of soil. European Journal of Soil Science 45: 419-429.

NICOLODI M et al. 2008. Insuficiência do conceito mineralista para expressar a fertilidade do solo percebida pelas plantas cultivadas no sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 2735-2744.

PAVINATO PS & ROSOLEM CA. 2008. Disponibilidade de nutrientes no solo: decomposição e liberação de compostos orgânicos de resíduos vegetais. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 911-920.

ROSSATO RR. 2004. Potencial de ciclagem de nitrogênio e potássio pelo nabo forrageiro intercalar ao cultivo de milho e trigo em plantio direto. Dissertação (Mestrado em Solos). Santa Maria: UFSM. 130p.

SAARSALMI A et al. 2001. Effects of wood ash fertilization on forest soil chemical properties. Silva Fennica 35: 355–368.

SILVA DN et al. 1995. Mineralogia e formas de potássio em dois Latossolos do Estado do Paraná e suas relações com a disponibilidade para as plantas. Revista Brasileira de Ciência do Solo 19: 433-439.

SILVA FR et al. 2009. Cinza de biomassa florestal: alterações nos atributos de solos ácidos do Planalto Catarinense e em plantas de eucalipto. Scientia Agraria 10: 475-482.

USEPA. 1996. United States Environmental Protection Agency. Soil screening guidance: thecnical background document. Washington, EPA, Office of Solid Waste and Emergency Response.

VEZZANI FM & MIELNICZUK J. 2011. O solo como sistema. 1.ed. Curitiba: Edição dos autores. 104p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018454

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171