Desempenho agronômico de cultivares de trigo para safrinha no Planalto de Santa Catarina, Brasil

Samuel Luiz Fioreze, James Cruz Oliveira, Volni Mazzuco, Ana Flávia Wuaden, Robson Pelissari Drun

Resumo


O aumento na produção brasileira de trigo para suprir a demanda interna do cereal está associado ao aumento da área de cultivo em regiões ou épocas historicamente pouco exploradas. Neste sentido, o presente trabalho teve como objetivo estudar o desempenho produtivo de cultivares de trigo para cultivo em safrinha na região do Planalto Catarinense. O experimento de campo foi conduzido entre os meses de fevereiro e junho de 2018. Cinco cultivares de trigo (BRS 264, BRS 394, BRS Parrudo, Tbio Audaz e Tbio Sonic) foram semeadas em 14 de fevereiro e 01 de março. Os parâmetros morfológicos das plantas foram determinados no período de antese. No período de maturação, foram determinados os componentes da produção e produtividade de grãos. Adicionalmente, determinou-se a duração do período entre emergência e florescimento e entre florescimento e maturação das plantas. A cultivar BRS Parrudo não apresentou desenvolvimento satisfatório para cultivo em safrinha, com sintomas de anomalias na formação da espiga. As demais cultivares estudadas apresentaram crescimento e produção de grãos satisfatória para a semeadura realizada em 14 de fevereiro.


Palavras-chave


Triticum aestivum, zoneamento agrícola, temperatura, produtividade.

Texto completo:

PDF

Referências


AKTER N & ISLAM MR. 2017. Heat stress effects and management in wheat. A review. Agronomy for Sustainable Development 37: 37.

ALBERTO CM et al. 2009. Resposta à vernalização de cultivares brasileiras de trigo. Bragantia 68: 535-543.

ALBRECHT JC et al. 2007. Adaptabilidade e estabilidade de genótipos de trigo irrigado no Cerrado do Brasil Central. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 1727-1734.

ALMEIDA ML et al. 2004. Tiller emission and dry mass accumulation of wheat cultivars under stress. Scientia Agricola 61: 266-270.

ASSENG S & van HERWAARDEN AF. 2003. Analysis of the benefits to wheat yield from assimilates stored prior to grain filling in a range of environments. Plant Soil 56: 217-229.

BRASIL. 2019. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Zoneamento Agrícola de Risco Climático. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2019.

CARGNIN A et al. 2006. Tolerância ao estresse térmico em genótipos de trigo. Pesquisa Agropecuária Brasileira 41: 1269-1276.

CARGNIN A et al. 2008. Progress in breeding of irrigated wheat for the Cerrado region of Brazil. Crop Breeding and Applied Biotechnology 8: 39-46.

CONAB. 2019. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos - Safra 2018/19 – Brasília: CONAB. p.1-104. (Décimo primeiro levantamento).

CLIMATE-DATA. 2018. Dados Climáticos para cidades mundiais. Oedheim: CLIMATE-DATA. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2019.

COELHO MAO et al. 2010. Avaliação da produtividade de trigo (Triticum aestivum L.) de sequeiro em Minas Gerais. Bioscience Journal 26: 717-723.

CUNHA GR et al. 2006. Regiões de adaptação para trigo no Brasil. Passo Fundo: Embrapa Trigo. 10p. (Circular Técnica Online 20).

DRECCER MF et al. 2013. Developmental and growth controls of tillering and water-soluble carbohydrate accumulation in contrasting wheat (Triticum aestivum L.) genotypes: can we dissect them? Journal of Experimental Botany 64: 143-160.

DUGGAN BL et al. 2005. Agronomic evaluation of a tiller inhibition gene (tin) in wheat. I. Growth and partitioning of assimilate. Australian Journal of Agricultural Research 56: 179-186.

FAO. 2018. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Food Outlook: biannual report on global food markets. Roma: FAO. 169p.

FIOREZE SL & RODRIGUES JD. 2012. Perfilhamento do trigo em função da aplicação de regulador vegetal. Revista Brasileira de Ciências Agrária 7: 750-755.

FIOREZE SL et al. 2019. Componentes produtivos do trigo em função da temperatura no período de diferenciação de espiguetas. Revista de Ciências Agroveterinárias 18: 24-32.

KUMAR RR et al. 2017. Exploring the heat-responsive chaperones and microsatellite markers associated with terminal heat stress tolerance in developing wheat. Functional & Integrative Genomics 17: 621-640.

LARGE EC. 1954. Growth stages in cereals illustration of the Feeks scales. Plant Pathology 4: 128-129.

MACIEL JLN. 2011. Magnaporthe oryzae, the blast pathogen: current status and options for its control. CAB Reviews: Perspectives in Agriculture, Veterinary Science, Nutrition and Natural Resources 6: 1-8.

OCHAGAVÍA H et al. 2018 Dynamics of leaf and spikelet primordia initiation in wheat as affected by Ppd-1a alleles under field condition. Journal of Experimental Botany 69: 2621-2631.

PASINATO A et al. 2018. Potential area and limitations for the expansion of rainfed wheat in the Cerrado biome of Central Brazil. Pesquisa Agropecuária Brasileira 53: 779-790.

PEREIRA JF et al. 2019. Improved drought tolerance in wheat is required to unlock the production potential of the Brazilian Cerrado. Crop Breeding and Applied Biotechnology 19: 217-225.

POERSCH-BORTOLON LB et al. 2016. Gene expression analysis reveals important pathways for drought response in leaves and roots of a wheat cultivar adapted to rainfed cropping in the Cerrado biome. Genetics and Molecular Biology 39: 629-645.

ROBERTSON MJ et al. 1996. Temperature response of vernalization in wheat: modelling the effect on the final number of mainstem leaves. Annals of Botany 78: 371-381.

SANTOS HG et al. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5º ed. Brasília: Embrapa. 356p.

SÓ e SILVA M et al. 2008. BRS 254: Wheat cultivar for irrigated conditions. Crop Breeding and Applied Biotechnology 8: 96-98.

VALÉRIO IP et al. 2009. Fatores relacionados à produção e desenvolvimento de afilhos em trigo. Semina 30: 1207-1218.

VALÉRIO IP et al. 2013. Seeding density in wheat: the more, the merrier? Scientia Agricola 70: 176-184.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711922020188

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171