Efeito do Residual de Atrazina e Atrazina + Simazina em Soja

Felipe Tolloti Peruzzo, Diecson Ruy Orsolin da Silva, Álvaro André Alba da Silva, Bruna Dal'Pizol Novello, Marina Luiza Cuchi

Resumo


A persistência no solo de herbicidas do grupo das triazinas é dependente de basicamente de condições de precipitação e características do solo. Objetivou-se avaliar o efeito residual de diferentes épocas de aplicação e doses de atrazina e atrazina + simazina para a cultura da soja. Conduziram-se experimentos a campo e casa de vegetação. A campo utilizou-se o delineamento de parcelas subdivididas com quatro repetições, sendo o fator A composto por épocas de aplicação 56, 49, 42, 35, 28, 21 e 14 dias antes da semeadura da soja; e fator B, pelos herbicidas atrazina e atrazina + simazina. Para o experimento em casa de vegetação o delineamento inteiramente casualizados, o fator A foi constituído de doses 0, 570, 1.140, 1.715, 2.285, 2.860, 3.430 e 4.000 g i.a.ha-1; e fator B pelos herbicidas atrazina e atrazina + simazina. A aplicação dos tratamentos foi realizada com pulverizador costal pressurizado por CO2, após a aplicação realizou-se a semeadura da soja. A campo avaliou-se o estande de plantas, fitotoxicidade, estatura, altura de inserção do primeiro entrenó, teor de clorofila e produtividade. Em casa de vegetação foram avaliados fitotoxicidade, estatura de plantas, área foliar e massa seca. Após os dados foram submetidos a análise de variância e quando significativas as medias foram comparadas pelo teste Tukey a 5%. A simulação de residual dos herbicidas atrazina e atrazina + simazina no solo apresentam comportamento similares quanto aos efeitos na soja. No experimento a campo, devido às altas precipitações ocorridas no intervalo entre as aplicações dos herbicidas e a semeadura da soja, não foram observados efeitos fitotóxicos ou redução na produtividade da cultura. Em casa de vegetação, o aumento da dose residual dos herbicidas no solo incrementou os efeitos tóxicos na soja.


Palavras-chave


triazinas, condições ambientais, fitotoxicidade, Glycine max.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHEGA TF et al. 2009. Lixiviação de sulfentrazone e amicarbazone em colunas de solo com adição de óleo mineral. Planta Daninha 27: 363-370.

BARANOWSKA I et al. 2008. ELISA and HPLC methods for atrazine and simazine determination in trophic chains samples. Ecotoxicology and Environmental Safety 70: 341-348.

BLANCO FMG et al. 2013. Herbicide-soil interactions applied to maize crop under Brazilian conditions. In: PRICE A. (Ed.). Herbicides – Current research and case studies in use. London: Intech. p.47-73.

CORREIA FV & LANGENBACH T. 2006. Dinâmica da distribuição e degradação de atrazina em argissolo vermelho-amarelo sob condições de clima tropical úmido. Revista Brasileira Ciência do Solo 30: 183-192.

DICK DP et al. 2010. Matéria orgânica em quatro tipos de solos brasileiros: composição química e sorção de atrazina. Química Nova 3: 14-19.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

FURLAN RG et al. 2016. Simulação do efeito residual da atrazina em cenoura. Horticultura Brasileira 34: 584- 587.

GRIGOLLI JFJ et al. 2017. Controle de plantas de soja e supressão do capim em milho consorciado com Brachiaria ruziziensis. Arquivos do Instituto Biológico 84: 1-7.

INMET. 2018. Instituto Nacional de Meteorologia. Estações Automáticas/ Consulta Dados da Estação Automática: Frederico Westphalen (RS). Disponível em: http://www.inmet.gov.br. Acesso em: 11 mar. 2018.

INOUE MH et al. 2003. Critérios para avaliação do potencial de lixiviação dos herbicidas comercializados no estado do Paraná. Planta Daninha 21: 313-323.

KASOZI GN et al. 2012. Sorption of atrazine and ametryn by carbonatic and non-carbonatic soils of varied origin. Environmental Pollution 169: 12-19.

MANCUSO MAC et al. 2011. Efeito residual de herbicidas no solo (“Carryover”). Revista Brasileira de Herbicidas 10: 151-164.

MARTINAZZO R et al. 2011. Sorção de atrazina e mesotriona em latossolos e estimativa potencial de contaminação. Revista Química Nova 34: 1378-1384.

MUDHOO A & GARG VK. 2011. Sorption, transport and transformation of atrazine in soils, minerals and composts. Pedosphere 21: 11-25.

OLIVEIRA JR RS et al. 2011. Biologia e manejo de plantas daninhas. 1.ed. Curitiba: Omnipax. 348p.

PUBCHEM. 2018. Open Chemistry Database. Atrazine. Disponível em: https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/atrazine#section=Top. Acesso em: 23 abr. 2018.

SANTOS DP et al. 2013. Determination of bioindicators of auxinic herbicides residues. Revista Ceres 60: 354-362.

SBCPD. 1995. Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas. Procedimentos para instalação, avaliação e análise de experimentos com herbicidas. Londrina: SBCPD. 42p.

VIDAL RA & MEROTTO JR A. 2001. Herbicidologia. Porto Alegre: Evangraf. 152p.

VONBERG D et al. 2014. Atrazine soil core residue analysis from an agricultural field 21 years after its ban. Journal of Environmental Quality 43: 1450-1459.

YU J & MCCULLOUGH PE. 2016. Efficacy and Fate of Atrazine and Simazine in Doveweed (Murdannia nudiflora) Weed Science 64: 379-388.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711912020064

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171