Qualidade e eficiência de produtos naturais no tratamento preservativo das madeiras de Araucaria angustifolia, Eucalyptus viminalis e Pinus taeda

Magnos Alan Vivian, Évelyn Janaina Grosskopf, Gláucia Cota Nunes, Adriana Terumi Itako, Karina Soares Modes

Resumo


A madeira, devido sua constituição orgânica, é altamente suscetível a agentes biodeterioradores, tornando-se essencial o tratamento preservativo àquelas que apresentam baixa durabilidade natural. Atualmente, os principais produtos utilizados no tratamento preservativo da madeira são o CCA e o CCB, os quais em razão da sua constituição são tóxicos ao meio ambiente e a saúde humana. Frente à essa situação, torna-se essencial o desenvolvimento de estudos acerca de produtos naturais que apresentem ação biocida, podendo assim ser utilizado no tratamento de madeira, conferindo maior proteção e aumentando a vida útil da peça. Levando em consideração esta perspectiva, o presente estudo teve por objetivo avaliar a qualidade (penetração e retenção) e eficiência de preservantes naturais aplicados no tratamento das madeiras de Araucaria angustifolia, Eucalyptus viminalis e Pinus taeda, submetidas ao apodrecimento acelerado em condições de laboratório. As madeiras das três espécies foram submetidas ao tratamento preservante com tanino, tall oil e óleo de nim, utilizando o método de imersão rápida a frio, na concentração de 5% do produto preservante, por cinco minutos. Na sequência foram avaliadas através do ensaio de apodrecimento acelerado sob à ação dos fungos apodrecedores Trametes versicolor e Gloeophyllum trabeum, seguindo as recomendações das normas ASTM D 2017 (2005) e ASTM D 1413 (1999). Com base nos resultados, observou-se que a madeira de P. taeda exibiu a melhor penetração aos preservantes óleo de nim e tall oil. O tanino retratou penetração vascular para as três espécies. Os melhores valores de retenção foram das madeiras de A. angustifolia e P. taeda, para todos os tratamentos aplicados. Quanto a eficiência, em comparação aos resultados encontrados para as outras espécies, todos os tratamentos foram eficientes para a madeira de P. taeda quando em contato ao fungo de podridão parda (G. trabeum).


Palavras-chave


preservação da madeira, apodrecimento acelerado, tanino, óleo de nim, tall oil.

Texto completo:

PDF

Referências


AHN SH et al. 2008. Efficacy of wood preservatives formulated from okara with copper and/or boron salts. Journal Wood Science 54: 495-501.

AMARAL LS. 2012. Penetração e retenção do preservante em Eucalyptus com diferentes diâmetros. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia da Madeira). Lavras: UFLA. 81p.

ASTM. 2005. American Society for Testing and Materials. Standard test method for accelerated laboratory test of natural decay resistance of wood: ASTM D 2017. West Conshohocken, 5p.

ASTM. 1999. American Society for Testing and Materials. Standard test method for wood preservatives by laboratory soil-block cultures: ASTM D 1413. West Conshohocken: ASTM. 7p.

BALLARIN AW & PALMA HAL. 2003. Propriedades de resistência e rigidez da madeira juvenil e adulta de Pinus taeda L. Árvore 27: 371-380.

BELTRAME R et al. 2010. Propriedades físico-mecânicas da madeira de Araucaria angustifolia (Bertol.) em três estratos fitossociológicos. Ciência da Madeira 1: 54-69.

BOSSARDI K. 2014. Tall oil e seus subprodutos: alternativas como preservantes para madeira. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica). Guaratinguetá: UNESP. 73p.

CARVALHO SM & FERREIRA DT. 1990. Santa Bárbara contra vaquinha. Ciência Hoje 11: 65-67.

CASTELLANI A. 1964. The “water cultivation” of pathogenic fungi. Institute of Tropical Medicine 44: 217-220.

DIAS KB & BARREIROS RM. 2017. Potentiality of tall oil as preservative for wood. Chemical and Biomolecular Engineering 2: 180-183.

DURLO MA. 1991. Tecnologia da madeira: peso específico. Santa Maria: UFSM. 29p. (Série Técnica 8).

FRIGERI JV et al. 2017. Determinação da densidade aparente para as espécies florestais Araucaria angustifolia e Eucalyptus spp. In: Semana de Aperfeiçoamento em Engenharia Florestal da UFPR, Anais... Curitiba: UFPR. 1p.

HYVÖNEN A et al. 2005. Tall oil/water – emulsions as water repellents for Scots pine sapwood. European Journal of Wood and Wood Products 64: 68-73.

IWAKIRI S et al. 2013. Evaluation of the use potential of nine species of genus Eucalyptus for production of veneers and plywood panels. Cerne 19: 263-269.

KLOCK U. 2000. Qualidade da madeira juvenil de Pinus maximinoi H.E. Moore. Tese (Doutorado em Ciências Florestais). Curitiba: UFPR. 291p.

LOPES CSD. 2007. Caracterização da madeira de três espécies de eucalipto para uso em movelaria. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais). Piracicaba: USP. 88p.

MACHADO GO et al. 2006. Preservante natural de madeira para uso na construção civil – óleo de Neem. Minerva 3: 1-8.

MARTÍNEZ AT et al. 2005. Biodegradation of lignocellulosics: microbial, chimical, and enzymatic aspects of the fungal attack of lignin. International Microbiology 8: 195-204.

MELCHIORETTO D & ELEOTÉRIO JR. 2003. Caracterização, classificação e comparação da madeira de Pinus patula, P. elliottii e P. taeda através de suas propriedades físicas e mecânicas. In: Congresso Regional de Iniciação Científica e Tecnológica. Anais... Blumenau: FURB. p.1-5.

MENDES AS & ALVES MVS. 1988. Degradação da madeira e sua preservação. Brasília: IBDF/DPq-LPF. 56p.

MORESCHI JC. 2014. Biodegradação e preservação da madeira: fatores que afetam a qualidade do tratamento preservativo da madeira maciça. Curitiba: UFPR. 161p. (Material Didático).

PANOV D & TERZIEV N. 2010. Plant oils as “green” substances for wood protection. In: International Conference on Environmentally-Compatible Forest Products. Anais... Porto: ECOWOOD. p.143-149.

PAES JB et al. 2012. Eficiência dos óleos de nim (Azadirachta indica A. Juss.) e mamona (Ricinus communis L.) na resistência da madeira de sumaúma (Ceiba pentandra (L.) Gaerth) a fungos xilófagos em simuladores de campo. Ciência Florestal 22: 617-624.

PROCITROPICOS. 2014. Programa Cooperativo de Investigación, Desarrollo e Innovación Agrícola para los Trópicos Suramericanos. Compostos Fenólicos. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2018.

ROLIM MB & FERREIRA M. 1974. Variação da densidade básica da madeira produzida pela Araucaria angustifolia (BERT.) O. Kuntze em função dos anéis de crescimento. IPEF 9: 47-55.

SALES-CAMPOS C et al. 2003. Estudo da variabilidade da retenção do preservante CCA tipo A na madeira de Brosimum rubescens Taub. Moraceae - (pau-rainha) uma espécie madeireira da região amazônica. Árvore 27: 845-853.

SINGH T & SINGH AP. 2011. A review on natural products as wood protectant. Wood Science and Technology 46: 851-870.

SOARES CHL. 1998. Estudos mecanísticos de degradação de efluentes de indústrias de papel e celulose por fungos basidiomicetos degradadores de madeira. Tese (Doutorado em Química Orgânica). Campinas: UNESP. 120p.

SOUZA RV & DEMENIGHI AL 2017. Tratamentos preservantes naturais de madeiras de floresta plantada para a construção civil. Mix Sustentável 3: 84-92.

STURION JA et al. 1988. Qualidade da madeira de Eucalyptus viminalis para fins energéticos em função do espaçamento e idade de corte. Colombo: Embrapa. 5p. (Boletim de Pesquisa Florestal 16).

TEIXEIRA JG et al. 2015. Eficiência do óleo de neem e dos resíduos de candeia sobre a inibição do desenvolvimento de fungos xilófagos. Scientia Forestalis 43: 417-426.

TEMIZ A et al. 2008. Decay resistance of wood treated with boric acid and tall oil derivates. Bioresource Technology 99: 2102-2106.

VIVIAN MA et al. 2012. Qualidade do tratamento preservativo em autoclave para a madeira de Eucalyptus grandis e Eucalyptus cloeziana. Scientia Forestalis 40: 445-453.

WANG SY et al. 2005. Antifungal activities of essential oils and their constituents from indigenous cinnamon (Cinnamomum osmophloeum) leaves against wood decay fungi. Bioresource Technology 96: 813-818.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711912020035

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171