Interação do tratamento de sementes e da mistura em tanque de herbicidas na seletividade para o arroz irrigado

Julio Marcos Catoni, Antonio Mendes de Oliveira Neto, Cristiano Riscarolli, Naiara Guerra

Resumo


A elevada fitointoxicação após a aplicação de herbicidas tem se tornado cada vez mais frequentes em função da mistura em tanque de herbicidas praticada a campo, pressionadas pelo aumento do espectro de controle e pelo avanço da resistência de plantas daninhas a herbicidas. Objetivou-se, neste trabalho avaliar a interação do tratamento de sementes com uma formulação comercial de fungicida e inseticida com a aplicação de mistura em tanque de herbicidas no arroz irrigado, cultivado no sistema pré-germinado, na região do Alto Vale do Itajaí, SC. O experimento foi conduzido em uma área comercial sistematizada para o sistema pré-germinado, com a cultivar SCS 121 CL. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com tratamentos arranjados em esquema fatorial 4 x 2, com quatro repetições. Avaliou-se dois níveis de tratamento de sementes (com ou sem) e quatro tratamentos herbicidas (sem herbicida, [imazapyr + imazapic] + bentazon, [imazapyr + imazapic] + saflufenacil e [imazapyr + imazapic] + bentazon + saflufenacil). A primeira aplicação foi realizada em V2 apenas com a mistura comercial de [imazapyr + imazapic] e a segunda aplicação foi realizada em V3 com tratamentos. As variáveis avaliadas foram fitointoxicação, número de plantas por metro quadrado, número de perfilhos por planta, número de panículas por metro quadrado, número de grãos por panícula, massa da panícula, esterilidade de espiguetas, massa de mil grãos e produtividade de grãos. Concluiu-se que o tratamento de sementes com a mistura formulada de fungicida e inseticida reduziu a fitointoxicação da mistura de [imazapyr + imazapic] + bentazon + saflufenacil. Além disso, houve superioridade numérica nos componentes de rendimento e na produtividade de grãos com o tratamento de semente.

Palavras-chave


fitointoxicação, Oryza sativa, pré-germinado, SCS 121 CL.

Texto completo:

PDF

Referências


BALARDIN RS et al. 2011. Tratamento de sementes com fungicidas e inseticidas como redutores dos efeitos do estresse hídrico em plantas de soja. Ciência Rural 41: 1120-1126.

BERTUCCI MB et al. 2019. Efficacy of fall-applied residual herbicides on weedy rice control in rice (Oryza sativa L.). Weed Technology 33: 441-447.

CAMARGO ER et al. 2011. Rice tolerance to saflufenacil in clomazone weed control program. International Journal of Agronomy. Article ID 402461. 8p.

CAMARGO ER et al. 2012. Interaction between saflufenacil and imazethapyr in red rice (Oryza spp.) and hemp sesbania (Sesbania exaltata) as affected by light intensity. Pest Management Science 68: 1010-1018.

COUNCE PA et al. 2000. A uniform, objective, and adaptative system for expressing rice development. Crop Science 40: 436-443.

DAYAN FE & WATSON SB. 2011. Plant cell membrane as a marker for light-dependent and light-independent herbicide mechanisms of action. Pesticide Biochemistry and Physiology 101: 182-190.

BONOW JFL et al. 2015. Seletividade do herbicida saflufenacil na cultura do arroz irrigado. In: IX Congresso Brasileiro do Arroz Irrigado. Anais... Pelotas: SOSBAI. p.896-899.

FAGAN EB et al. 2010. Efeito da aplicação de Piraclostrobina na taxa fotossintética, respiração, atividade da enzima nitrato redutase e produtividade de grãos de soja. Bragantia 69: 771-777.

FAO. 2019. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF UNITED NATIONS. Faostat – Crops. Disponível em: http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC. Acesso em: 04 set. 2019.

GAO S et al. 2019. Protective responses induced by chiral 3-dichloroacetyl oxazolidine safeners in maize (Zea mays L.) and the detoxification mechanism. Molecules 24: 3060.

GEOFFROY L et al. 2002. Effect of oxyfluorfen and diuron alone and in mixture on antioxidative enzymes of Scenedesmus obliquus. Pesticide Biochemistry and Physiology 72: 178-185.

GILL SS & TUTEJA N. 2010. Reactive oxygen species and antioxidant machinery in abiotic stress tolerance in crop plants. Plant Physiology Biochemistry 48: 909-930.

GROSSMANN K et al. 2011. Saflufenacil (KixorTM): biokinetic properties and mechanism of selectivity of a new protoporphyrinogen IX oxidase inhibiting herbicide. Weed Science 59: 290-298.

HAVERROTH EJ et al. 2017. Efeito da associação de herbicidas para o controle de Sagittaria montevidensis em arroz de cultivo pré-germinado. In: Anais do X Congresso Brasileiro do Arroz Irrigado. Gramado: SOSBAI.

JABS T. 2004. Can strobilurins still deliver? Crop Protection 17: 19-20.

LIEBL RA et al. 2008. BAS 800H: A new herbicide for preplant burndown and preemergence dicot weed control. Weed Science Society of America 48: 120.

JADOSKI CJ et al. 2015. Ação fisiológica da piraclostrobina na assimilação de CO2 e na atividade de enzimas antioxidantes em plantas de feijão em diferentes tensões de água no solo. Irriga 20: 319-333.

KANUNGO M & JOSHI J. 2014. Impact of pyraclostrobin (F-500) on crop plants. Plant Science Today 3: 174-178.

KNEZEVIC SZ et al. 2010. Application timing and adjuvant type affected saflufenacil efficacy on selected broadleaf weeds. Crop Protection 29: 94-99.

KNEZEVIC SZ et al. 2009. Adjuvants influenced saflufenacil efficacy on fall-emerging weeds. Weed Technology 23: 340-345.

KÖEHLE H et al. 2003. Physiological effects of the strobilurin fungicide F 500 on plants. In: DEHNE HW et al. Modern Fungicides and Antifungal Compounds. Germany: Spring. p.61-74.

KRUSE ND et al. 2006. Estresse oxidativo em girassol (Helianthus annuus) indica sinergismo para a mistura dos herbicidas metribuzin e clomazone. Planta Daninha 24: 379-390.

LIMA AS et al. 2009. Efeito fisiológico de funcigida pyraclostrobin e tratamento de sementes na cultura do milho. Pesquisa Aplicada & Agrotecnologia 2: 113-120.

MATZENBACHER FO et al. 2014. Environmental and physiological factors that affect the efficacy of herbicides that inhibit the enzyme protoporphyrinogen oxidase: a literature review. Planta Daninha 32: 457–463.

MEROTTO JUNIOR A et al. 2010. Isolamento do gene ALS e investigação do mecanismo de resistência a herbicidas em Sagittaria montevidensis. Ciência Rural 40: 2381-2384.

MOURA DS et al. 2015. Multiple resistance of Sagittaria montevidensis biotypes to acetolactate synthase and photosystem II inhibiting herbicides. Planta Daninha 33: 779-786.

MOURA DS et al. 2016. Multiple resistant biotypes of Sagittaria montevidensis to inhibiting acetolactate synthase and photosystem II herbicides. Revista Brasileira de Herbicidas 15: 148-156.

PINHEIRO V et al. 2016. Seed treatment, soil compaction and nitrogen management affect upland rice. Pesquisa Agropecuária Tropical 46: 72-79.

SOLTANI N et al. 2009. Response of corn to preemergence and postemergence applications of saflufenacil. Weed Technology 23: 331-334.

SOSBAI. 2016. SOCIEDADE SUL-BRASILEIRA DE ARROZ IRRIGADO. XXXI Reunião Técnica da Cultura Arroz Irrigado: recomendações técnicas da pesquisa para o Sul do Brasil. Santa Maria: SOSBAI. 197p.

TAKANO HK et al. 2019. Reactive oxygen species trigger the fast action of glufosinate. Planta 249: 1837-1849.

VAN DINGENEN J et al. 2017. Strobilurins as growth-promoting compounds: how stroby regulates Arabidopsis leaf growth. Plant, Cell and Environment 40: 1748-1760.

VENANCIO WS et al. 2004. Efeitos fisiológicos de fungicidas sobre plantas. Revisão Anual de Patologia de Plantas 12: 317-341.




DOI: https://doi.org/10.5965/10.5965/223811711912020016

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171