Desempenho agronômico da videira ‘Cabernet Sauvignon’ submetida a diferentes épocas de aplicação e concentrações de Prohexadiona de Cálcio

Douglas André Würz, José Luiz Marcon Filho, Ricardo Allebrandt, Alberto Fontanella Brighenti, Betina Pereira de Bem, Leo Rufato, Aike Anneliese Kretzschmar

Resumo


Devido à falta de informações consistentes em relação a aplicação de Prohexadiona de Cálcio em videira, tem-se como objetivo deste trabalho avaliar o efeito de diferentes épocas de aplicação e concentrações de Prohexadiona de Cálcio no desempenho vitícola da cultivar Cabernet Sauvignon cultivada em regiões de altitude elevada de Santa Catarina. O presente estudo foi realizado durante a safra 2014/2015. As aplicações ocorrem em diferentes épocas e concentrações, sendo subdividas na inflorescência separada, plena florada e 15 dias após a plena florada. Realizaram-se avaliações vegeto-produtivas: área foliar, produtividade, relação área foliar/produção, crescimento de ramo, e parâmetros: pH, acidez total, sólidos solúveis, polifenóis totais, e arquitetura de cacho. A aplicação de Prohexadiona de Cálcio na concentração de 250 mg L-1, realizada na fase de plena florada aumentou em 23% a produtividade da cultivar Cabernet Sauvignon. Este aumento da produtividade esteve relacionado com a maior massa de cacho e com o maior número de bagas por cacho. A Prohexadiona de Cálcio aplicada na fase de inflorescência separada reduz o crescimento dos ramos. Porém devido as condições de excesso de vigor do vinhedo, a redução no crescimento não eliminou a necessidade da realização do desponte dos ramos. Houve redução na massa da baga da cultivar Cabernet Sauvignon com a aplicação de Prohexadiona de Cálcio, característica positiva na elaboração de vinhos tintos. A aplicação de Prohexadiona de Cálcio nas concentrações e épocas utilizadas não influenciaram na maturação tecnológica (Sólidos solúveis, Acidez e pH) da uva Cabernet Sauvignon.


Palavras-chave


Vitis vinifera L., equilíbrio vegetativo, maturação, redução de vigor vegetativo.

Texto completo:

PDF

Referências


AVIZCURI-INAC JM et al. 2013. Effect of cluster thinning and Prohexadione calcium applications on Phenolic composition and sensory properties of red wines. Journal of Agricultural and Food Chemistry 61: 1124-1137.

BEM BP et al. 2016. Effect of four training systems on the temporal dynamics of downy mildew in two grapevine cultivars in southern Brazil. Tropical Plant Pathology 41: 370-379.

BONILLA I et al. 2015. Vine vigor, yield and grape quality assessment by airbone remote sensing over three years: Analysis of unexpected relationships in cv. Tempranillo. Spanish Journal of Agricultural Research 13: 1-8.

BORGHEZAN M et al. 2010. Modelos matemáticos para a estimativa da área foliar de cultivars de videira à campo (Vitis vinifera L.). Ciência e Técnica Vitivinícola 25: 1-7.

BORGHEZAN M et al. 2011. Comportamento vegetativo e produtivo da videira e composição da uva em São Joaquim, Santa Catarina. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 398-405.

BRIGHENTI AF et al. 2011. Desempenho vitivinícolas da Cabernet Sauvignon sobre diferentes porta-enxertos em região de altitude de Santa Catarina. Revista Brasileira de Fruticultura 33: 96-102.

BRIGHENTI AF et al. 2013. Caracterização fenológica e exigência térmica de diferentes variedades de uvas viníferas em São Joaquim, Santa Catarina – Brasil. Ciência Rural 43: 1162-1167.

COSTA G et al. 2001. Prohexadione calcium: Growth regulation and reduced fire blight incidence in pear. HortScience 36: 931-933.

EVANS JR et al. 1999. Mode of action, metabolism, and uptake of BAS 125W prohexadione-calcium. HortScience 34: 1200-1201.

GONZÁLEZ-NEVES G & FERRER M. 2008. Efectos del sistema de conducción y del raleo de racimos em la composición de uvas Merlot. Agrociência 12: 10-18.

JACKSON RS. 2008. Wine Science: Principles and Applications. 3.ed. Burlington: Elsevier Academic Press. 776p.

JACKSON RS. 2014. Wine Science: Principles and Applications. 4.ed. Burlington: Elsevier Academic Press. 978p.

LO GIUDICE D. 2002. The impact of prohexadione-calcium on grape vegetative and reproductive development and wine chemistry. Thesis (Master of Science in Horticulture) Blacksburg: Virginia Polytechnic Institute and State University. 102p.

LO GIUDICE D et al. 2003. Vegetative response of Vitis vinifera to Prohexadione-calcium. HortScience 38: 1435-1438.

LO GIUDICE D et al. 2004. Effects of Prohexadione-calcium on Grape Yield Components and Fruit and Wine Composition. American Journal of Enology and Viticulture 55: 73-83.

MAFRA MSH et al. 2011. Atributos químicos do solo e estado nutricional de videira Cabernet Sauvignon (Vitis vinifera L.) na Serra Catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias 10: 44-53.

MALINOVSKI LI et al. 2012. Highlandsof Santa Catarina/Brazil: a regionwith high potential for wine production. Acta Horticulture 931: 433-440.

MARCON FILHO JL et al. 2015. Raleio de cachos sobre o potencial enológico da uva 'Cabernet Franc' em duas safras. Ciência Rural 45: 2150-2156.

MARIO AE et al. 2012. Prohexadiona de Cálcio na produtividade e qualidade dos frutos da cultivar Cabernet Sauvignon. IN: XXII Congresso Brasileiro de Fruticultura. Anais...Bento Gonçalves: SBF. p. 4064-4067.

MOTA T et al. 2010. Efeito da aplicação do regulador de crescimento ‘prohexadiona de cálcio’ (Regalis®) na casta alvarinho (V. vinifera L.) na região dos vinhos verdes. IN: 8º Simpósio de Vitivinicultura do Alentejo. Anais... Évora: UP. p.17-27.

OIV. 2009. Organisation International de la Vigne et du Vin. Recueil des Méthodes Internationales d’Analyse desVins et des Moûts. Paris: OIV.

PASA M et al. 2016. Prohexadione calcium controls shoot growth of pear trees under winter conditions. Current Agricultural Science and Technology 22: 40-49.

RADEMACHER W. 2004. Chemical regulation of shoot growth in fruit trees. Acta Horticulturae 653: 29-32.

RIZZON LA & MIELE A. 2012. Acidez na vinificação em tinto das uvas Isabel, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc. Ciência Rural 32: 511-515.

SILVA LC et al. 2008. Níveis de produção em vinhedos de altitude da cv. Malbec e seus efeitos sobre os compostos fenólicos. Revista Brasileira de Fruticultura 30: 675-680.

SILVA LC et al. 2009. Raleio de cachos em vinhedos de altitude e qualidade do vinho da cultivar Syrah. Pesquisa Agropecuária Brasileira 44: 148-154.

SINGLETON VL & ROSSI JA. 1965. Colorimetry of Total Phenolics with Phosphomolybdic-Phosphotungstic Acid Reagents. American Journal of Enology and Viticulture 16: 144-158.

SOLOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. 2004. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 726p. (Boletim de pesquisa e desenvolvimento 46).

TELLO J & IBÁÑEZ J. 2014. Evaluation of indexes for the quantitative and objective estimation of grapevine bunch compactness. Vitis 53: 9–16.

TONIETTO J & CARBONNEAU A. 2004. A multicriteria climatic classification system for grape-growing regions worlwide. Agricultural and Forest Meteorology 124: 81-97.

WÜRZ DA et al. 2017a. New wine-growing regions of Brazil and their importance in the evolution of Brazilian wine. BIO Web of Conferences 9: 1-4.

WÜRZ DA et al. 2017b. Agronomic performance of ‘Cabernet Sauvignon’ with leaf removal management in a high-altitude region of Southern Brazil. Pesquisa Agropecuária Brasileira 52: 869-876.

VIANNA LF et al. 2016. Caracterização agronômica e edafoclimáticas dos vinhedos de elevada altitude. Revista de Ciências Agroveterinárias 15: 215-226.

VILLAR L et al. 2011. Prohexadiona de cálcio e a redução do vigor, produtividade e qualidade da uva grano d'oro. Revista Brasileira de Fruticultura 33: 536-540.

ZALAMENA J et al. 2013. Produtividade e composição de uva e de vinho de videiras consorciadas com plantas de cobertura. Pesquisa Agropecuária Brasileira 48: 182-189.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711912020008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171