Tratamento de sementes sobre a germinação, o vigor e o desenvolvimento do trigo

Fernando Sartori Pereira, Lucas Antonio Stempkowski, Juliana Borba Valente, Paulo Roberto Kuhnem, Douglas Lau, Ricardo Trezzi Casa, Fabio Nascimento da Silva

Resumo


O tratamento de sementes (TS) é uma importante ferramenta no manejo de doenças na cultura do trigo, embora poucos produtos sejam indicados para esse fim. Por isso, a pesquisa deve realizar trabalhos relacionados à efetividade de diferentes produtos no TS e também o possível efeito fitotóxico. Os objetivos deste trabalho foram realizar testes fisiológicos em sementes e avaliar o desenvolvimento de duas cultivares de trigo (BRS Guamirim e TBIO Toruk), submetidas a 13 diferentes tratamentos de sementes. Para cada tratamento foram analisados a germinação e o vigor. As sementes tratadas também foram semeadas a campo, onde se determinou a emergência a campo e massa fresca de raiz e parte aérea. As sementes tratadas com azoxistrobina e Bacillus amyloliquefaciens resultaram em decréscimo na germinação da cultivar TBIO Toruk. Na análise do vigor houve diferença entre os tratamentos testados para as duas cultivares, sendo que houve redução do vigor em sementes tratadas com dimetomorfe para TBIO Toruk e azoxistrobina para a cultivar BRS Guamirim. As sementes submetidas ao tratamento Carboxamida A resultaram em plântulas com maiores valores de massa fresca de raiz e parte aérea. Os resultados apresentados permitem a seleção de produtos com baixa ou ausência de fitotoxidade para incorporação no manejo de doenças no trigo.


Palavras-chave


Triticum aestivum, fungicidas, agentes de biocontrole, indutor de resistência, fitotoxicidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Secretaria de Defesa Agropecuária. 399p.

CARVALHO NM & NAKAGAWA J. 2012. Sementes: Ciência, Tecnologia e Produção. 5.ed. Jaboticabal: FUNEP. 588p.

COSTA EM et al. 2018. Efeito fisiológico de inseticidas e fungicida sobre a germinação e vigor de sementes de soja (Glycine max l.). Científic@ Multidisciplinary Journal 5: 77-84.

FERREIRA EB et al. 2013. ExpDes.pt: Experimental Designs pacakge (Portuguese). R package version 1.1.2.

HENNING AA. 2005. Patologia e tratamento de sementes: noções gerais. 2.ed. Londrina: Embrapa. p.1-52.

HOSSEN DC et al. 2014. Tratamento químico de sementes de trigo. Pesquisa Agropecuária Tropical 44: 104-109.

ISHIKAWA MS et al. 2012. Tratamento químico de sementes sobre o desenvolvimento de mancha marrom em plantas de trigo. Ciência Rural 42: 1341-1346.

LIMA TC et al. 2006. Avaliação do vigor de trigo pelo teste de envelhecimento acelerado. Revista Brasileira de Sementes 28: 106-113.

MAPA. 2013. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa Mapa 45/2013. Brasília: MAPA. 22p.

MARCOS FILHO J. 2017. Conceituação do vigor de sementes em seus múltiplos aspectos. In: XX Congresso brasileiro de semente. Resumos…Londrina: ABRATES. p. 28.

MARCOS FILHO J. 1999. Teste de envelhecimento acelerado. In: KRZYZANOWSKI FC et al. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: Abrates. p.1-24.

MENTEN JOM. 1991. Importância do tratamento de sementes. In: MENTEN JOM. Patógenos em sementes: detecção, danos e controle químico. Piracicaba: ESALQ/FEALQ. p. 203-224.

MENTEN JO & MORAES MHD. 2010. Tratamento de sementes: Histórico, tipos, características e benefício. Londrina: Abrates. p. 52-71.

NASCIMENTO WMO et al. 1996. Fitotoxidade do inseticida carbofuran 350 FMC na qualidade fisiológica de sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes 18: 242-245.

ULGUIM AR et al. 2013. Características agronômicas do trigo em função do tratamento de sementes e épocas de aplicação de nitrogênio. Pesquisa Agropecuária Gaúcha 19: 16-23.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711832019395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171