Emergência e desenvolvimento de mudas de fisális sob telas de sombreamento coloridas e pleno sol

Daniel Fernandes da Silva, Fabiola Villa, André Luiz Piva, Elcio Silvério Klososwki, Eder Junior Mezzalira

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito das telas de 50% de sombreamento coloridas sobre a emergência e o desenvolvimento de mudas de três espécies de fisális. O delineamento experimental foi blocos ao acaso, em esquema de parcelas subdivididas com quatro repetições. As telas utilizadas apresentaram 50% de sombreamento e quatro colorações + cultivo a pleno sol. As subparcelas consistiram de três espécies de fisális. A semeadura foi realizada em tubetes e o desbaste ocorreu 40 dias após a semeadura. Durante este período foram avaliadas algumas variáveis fitotécnicas e fisiológicas. A emergência das plantas foi favorecida em ambiente com presença de telas. Os ambientes de cultivo apresentaram interação com as espécies em relação ao índice de velocidade de emergência, diâmetro do colo, altura das plantas, biomassa seca de folha e na taxa de transpiração das mudas. Os ambientes não interferiram na taxa assimilatória líquida, radiação fotossinteticamente ativa, índiceSPAD, biomassa seca de raízes, caule e folhas, e no número de folhas por planta. As telas de sombreamento interferiram na temperatura do ar e umidade relativa do ar e em algumas características fitotécnicas. O uso da tela de sombreamento cor preta proporciou uma muda de melhor qualidade.


Palavras-chave


Physalis L., ambiente protegido, Solanaceae, fotossíntese.

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS GL et al. 2017. Initial growth of sweet pepper in different substrates and light environments. Científica 45: 406-413.

ALVARES CA et al. 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-728.

ASTHIR B. 2015. Protective mechanisms of heat tolerance in crop plants. Journal of Plant Interactions 10: 22-29.

ASSIS GA et al. 2014. Correlação entre crescimento e produtividade do cafeeiro em função do regime hídrico e densidade de plantio. Bioscience Journal 30: 666-676.

BAHMANI M et al. 2016. Physalis alkekengi: a review of its therapeutic effects. Journal of Chemical and Pharmaceutical Sciences 9: 1472-1475.

CAMARGO AP et al. 1999. Ajuste da equação de Thornthwaite para estimar a evapotranspiração potencial em climas áridos e superúmidos, com base na amplitude térmica diária. Revista Brasileira de Agrometeorologia 7: 251-257.

CAVIGLIONE JH et al. 2000. Cartas climáticas do Paraná. Londrina: IAPAR. 1 CD-ROM.

CECCO RM et al. 2018. Germinação e crescimento inicial de mudas de espécies não convencionais de fisális em diferentes substratos e ambientes. Revista de Ciências Agroveterinárias 17: 45-53.

CORRÊA RM et al. 2012. Crescimento de plantas, teor e qualidade de óleo essencial de folhas de orégano sob malhas coloridas. Global Science and Technology 5: 11-22.

DUARTE GRB et al. 2010. Medida e estimativa da evapotranspiração do tomateiro cultivado sob adubação orgânica em ambiente protegido. Semina: Ciências Agrárias 31: 563-574.

FENG S et al. 2018. Molecular identification of species of Physalis (Solanaceae) using a candidate DNA barcode: the chloroplast psbA–trnH intergenic region. Genome 61: 15-20.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência & Agrotecnologia 35: 1039-1042.

HASSANIEN MFR. 2011. Physalis peruviana: a rich source of bioactive phytochemicals for functional foods and pharmaceuticals. Journal of Food Reviews International 27: 259-273.

HENRIQUE PC et al. 2011. Aspectos fisiológicos do desenvolvimento de mudas de café cultivadas sob telas de diferentes colorações. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 458-465.

KRÖBER W et al. 2015. Relating stomatal conductance to leaf functional traits. Journal of visualized experiments 104: 100-107.

LIMA CSM et al. 2010. Sistemas de tutoramento e épocas de transplantio de physalis. Ciência Rural 40: 2472-2479.

MAGUIRE JD. 1962. Speed of germination aid in selection and evaluation for seeding emergence and vigor. Crop Science 2: 176-177.

MEZZALIRA EJ et al. 2017. Desenvolvimento inicial de espécies de fisális submetidas a ambientes de cultivo. Revista de Ciências Agroveterinárias 16: 293-301.

MOURA PHA et al. 2016. Cobertura plástica e densidade de plantio na qualidade das frutas de Physalis peruviana L. Revista Ceres 63: 334-339.

MUNIZ JK et al. 2014. General aspects of physalis cultivation. Ciência Rural 44: 964-970.

OLIVEIRA GM et al. 2012. Temperatura do ar no interior e exterior de ambientes protegidos. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 7: 250-257.

PIVETTA CR et al. 2011. Evapotranspiração máxima do tomateiro sob estufa plástica em função de variáveis fenométricas e meteorológicas. Bragantia 70: 707-714.

SANTOS LL et al. 2010. Luminosidade, temperatura do ar e do solo em ambientes de cultivo protegido. Revista de Ciências Agro-Ambientais 8: 83-93.

SEABRA JÚNIOR SN et al. 2012. Cultivo de alface em Cáceres MT: perspectivas e desafios. Revista Conexão 8: 130-137.

SILVA DF et al. 2018. Productive and qualitative parameters of of Physalis species cultivated under colored shade nets. Revista Brasileira de Fruticultura 40: e-528.

SILVA DF et al. 2013. Conservação pós-colheita de fisális e desempenho produtivo em condições edafoclimáticas de Minas Gerais. Revista Ceres 60: 826-832.

SILVA DF et al. 2016a. The production of Physalis spp. seedlings grown under different colored shade nets. Acta Scientiarum 38: 257-263.

SILVA DF et al. 2016b. Light spectrum on the quality of fruits of physalis species in subtropical area. Bragantia 75: 371-376.

TAIZ L & ZEIGER E. 2013. Fisiologia vegetal. 5.ed. Porto Alegre: Artmed. 954 p.

VADEZ V et al. 2014. Transpiration efficiency: new insights into an old story. Journal of Experimental Botany 65: 6141-6153.

VILLA F et al. 2018. Initial development of Physalis seedlings in substrates and containers. Comunicata Scientiae 9: 50-57.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711922020139

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171