Produtos florestais não madeireiros e valoração ambiental da Floresta Nacional de Pacotuba, ES

Eth Rocha Silva, Adriano Ribeiro Mendonça, Milton Marques Fernandes, Henrique Machado Dias, Mayra Luiza Marques da Silva

Resumo


Este estudo teve como objetivo avaliar o potencial para extração de produtos florestais não madeireiros (PFNMs) e a valoração ambiental pela disposição a receber dos moradores da zona de amortecimento da Floresta Nacional (FLONA) de Pacotuba, estado do Espírito Santo. Foram aplicados formulários em uma amostra de 78 famílias, na comunidade de Monte Alegre, localizada na zona de amortecimento da FLONA de Pacotuba, para o levantamento etnobotânico de PFNMs e a disposição a receber para manter a cobertura florestal. O mapeamento do uso do solo da FLONA do Pacotuba e da zona de amortecimento foram obtidos por meio de uma imagem Landsat. Foi utilizado o método de valoração contingente por meio dos formulários, para estimar a disposição a receber para manter a cobertura florestal. Na FLONA de Pacotuba existe potencial para produzir PFNMs, com uma oferta principalmente para fins medicinais e ecológicos. O uso do solo demonstra que a FLONA do Pacotuba apresenta um alto percentual de cobertura florestal, no entanto a zona de amortecimento está com alto percentual de pastagem e uso do solo antrópico, sendo o pagamento por serviços ambientais (PSA) uma alternativa para aumentar a cobertura florestal na zona de amortecimento. A disposição a receber para manter a cobertura florestal dos proprietários na zona de amortecimento e na FLONA foi maior do que o PSA do estado do Espírito Santo, o que dificulta a adoção de um programa de pagamentos por serviços ambientais. O PSA do Espírito Santo, por meio do programa Reflorestar, associado ao manejo de PFNMs, principalmente medicinais e ecológicos, seriam alternativas para geração de renda e preservação da cobertura florestal.


Palavras-chave


ecologia da paisagem, serviço ambiental, floresta estacional semidecidual

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU KMPAK et al. 2013. Análise fitossociológica da floresta nacional de Pacotuba, Cachoeiro de Itapemirim, ES – Brasil. Cerne 19: 157-168.

ALCARDE AR et al. 2010. Aspectos da composição química e aceitação sensorial da aguardente de cana-de-açúcar envelhecida em tonéis de diferentes madeiras. Ciência e Tecnologia de Alimentos 30: 226-232.

ALMEIDA CFCBG & ALBUQUERQUE LP. 2002. Uso e conservação de plantas e animais medicinais no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil): um estudo de caso. Interciência 27: 276-285.

ALVARES CA et al. 2013. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-728.

ANSOLIN RD et al. 2018. Valoração ambiental em áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do Rio Passaúna, Estado do Paraná. Revista de Ciências Agroveterinárias 17: 118-127.

BARBOZA da SILVA NC et al. 2012. Uso de plantas medicinais na comunidade quilombola da Barra II - Bahia, Brasil. Boletín Latino americano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas 11: 435-453.

BORGES KH et al. 2000. Produção de sementes e o manejo da caixeta (Tabebuia cassinoides). Scientia Forestalis 57: 111-122.

BRASIL. 2006. A Lei Federal nº 11.428 – Lei da Mata Atlântica, regula a conservação, a proteção, a regeneração e a utilização da Mata Atlântica. Presidência da República Casa Civil: Subchefia para Assuntos Jurídicos.

BRASIL. 2000. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

CARVALHO PER. 2003. Espécies arbóreas brasileiras. 1.ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica.1039p.

CARVALHO PER. 2006. Espécies arbóreas brasileiras. 2.ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. 308p.

CORREIA W et al. 2007. Programa transdisciplinar para o desenvolvimento sustentável da comunidade quilombola de Monte Alegre. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo 1: 4-53.

COSTA EM & PAULA RCA. 2012. Levantamento preliminar dos insetos associados às sementes de Albizia polycephala Benth em Vitória da Conquista-BA. Scientia plena 8: 1-5.

EMBRAPA. 2006. Empresa Brasileira de Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2.ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos. 410p.

ELIAS GA & SANTOS R. 2016. Produtos florestais não madeireiros e valor potencial de exploração sustentável da Floresta Atlântica no Sul de Santa Catarina. Ciência Florestal 26: 249-262.

EUGENIO FC et al. 2010. Confronto do uso e cobertura da terra em áreas de preservação permanente da bacia hidrográfica do rio alegre no município de Alegre, Espírito Santo. Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia 7: 110- 126.

GIL AC. 1995. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4.ed. São Paulo: Atlas. 220p.

GOBBO SDA et al. 2016. Uso da Terra no Entorno do PARNA-Caparaó: Preocupação com Incêndios Florestais. Floresta e Ambiente 23: 350-361.

GUERRA FGPQ et al. 2009. Quantificação e valoração de produtos não madeireiros. Floresta 39: 431-439.

ICMBIO. 2011. Plano de manejo da floresta nacional de Pacotuba, localizada no estado do Espírito Santo. Vila Velha: FAUNATIVA. 188p.

ICMBIO. 2018. A Floresta Nacional do Tapajós. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/FLONAtapajos/. Acesso em: 30 out. 2018.

IGANCI JRV & MORIM MP. 2012. Coleções botânicas para conservação: um estudo de caso em Abarema Pittier (Leguminosae, Mimosoideae). Revista Brasileira de Biociências 10: 164-170.

JUNIOR VEIGA V et al. 2005. Plantas medicinais: cura segura. Química nova 28: 519-528.

LAGOS AR & MULLER BLA. 2007. Hotspot brasileiro Mata Atlântica. Saúde e Ambiente em Revista 2: 35-45.

LORENZI H. 2009. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 4.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 298p.

LORENZI H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. 2.ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum. 234p.

MATTOS ADM et al. 2007. Valoração ambiental de áreas de preservação permanente da microbacia do ribeirão são Bartolomeu no município de Viçosa, MG. Revista Árvore 31: 347-353.

MEDEIROS R et al. 2011. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Sumário Executivo, Brasília: UNEP-WCMC. 44p.

MOURA APC et al. 2015. Rooting of bougainvillea cuttings with concentrations of naphthalene acetic acid. Scientia Agraria 16: 57-61.

MURADIAN R et al. 2010. Reconciling theory and practice: An alternative conceptual framework for understanding payments for environmental services. Ecological Economics 69: 1202-1208.

MYERS N et al. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: 853-858.

PEREIRA RC et al. 2004. Plantas utilizadas como medicinais no município de Campos de Goytacazes-RJ. Revista Brasileira de Farmacognosia 14: 37- 40.

PEZZOPANE JEM et al. 2004. Espacialização da temperatura do ar do Estado do Espírito Santo. Revista Brasileira de Agrometeorologia 12: 151-158.

PIROVANI DB et al. 2015. Análise da paisagem e mudanças no uso da terra no entorno da RPPN Cafundó, ES. Cerne 21: 27-35.

RAMIRES JCL & PESSÔA VLS. 2009. Geografia e pesquisa qualitativa nas trilhas da investigação. 1.ed. Uberlândia: Assis. 543p.

RONCHI HS et al. 2016. Potencial medicinal de espécies arbóreas de um remanescente florestal da floresta estacional semidecidual, na região central do estado de São Paulo. Enciclopédia Biosfera 13: 986-1001.

SANTOS AJ & GUERRA FGPQ. 2010. Aspectos econômicos da cadeia produtiva dos óleos de andiroba (Carapa guianensis Aubl.) e copaíba (Copaifera multijuga Hayne) na Floresta Nacional de Tapajós - Pará. Floresta 40: 23-28.

SANTOS MAS. 2005. A cadeia produtiva da pesca artesanal no estado do Pará: estudo de caso no nordeste paraense. Amazônia. Ciência e Desenvolvimento 1: 61-81.

SARTORI CJ. et al. 2014. Teores de fenóis totais e taninos nas cascas de angico-vermelho (Anadenanthera peregrina). Floresta e Ambiente 21: 394-400.

SILVA ER. 2016. Produtos florestais não madeireiros e valoração ambiental da Floresta Nacional de Pacotuba, ES. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais). Jerônimo Monteiro: UFES. 50p.

SOBRINHO FAP et al. 2011. Uso de plantas medicinais no entorno da Reserva Biológica de Tinguá, Nova Iguaçu, RJ. Ciências Agrárias e Ambiente 9: 195-206.

SPINA AP et al. 2001. Floração, frutificação e síndromes de dispersão de uma comunidade de floresta de brejo na região de campinas (SP). Acta Botânica Brasílica 15: 349-368.

VARJABEDIAN R. 2010. Lei da Mata Atlântica: retrocesso ambiental. Estudos avançados 24: 147-160.

VELOSO HP et al. 1991. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. 1.ed. Brasília: IBGE. 540p.

WEBER CR et al. 2011. Anadenanthera colubrina: um estudo do potencial terapêutico. Revista Brasileira Farmácia 92: 235-244.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711832019363

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171