Efeito do fogo na vegetação espontânea em sistema agroflorestal, Pará, Brasil

Fabrízia de Oliveira Alvino-Rayol, Breno Pinto Rayol

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do fogo na estrutura, composição florística e diversidade da vegetação espontânea em um sistema agroflorestal com dois tipos de preparo da área: com e sem queima. O sistema agroflorestal foi composto pelas espécies: paricá (Schizolobium amazonicum), açaí (Euterpe oleracea) e cupuaçu (Theobroma grandiflorum). Para a amostragem da flora da vegetação espontânea, utilizou-se um gabarito de madeira de 0,25 m2, lançado, aleatoriamente, 20 vezes em cada área avaliada. Foram calculadas a diversidade de espécies (Índice de diversidade de Shannon) e taxa de cobertura da  vegetação espontânea. As espécies inventariadas foram coletadas e enviadas para identificação nos herbários da região. A diversidade de espécies não diferiu estatisticamente nos dois tratamentos. Porém, a maior taxa de cobertura de vegetação espontânea foi observada na área preparada com o uso do fogo. A composição florística da vegetação espontânea apresentou somente 32,3% de similaridade entre as duas áreas. A espécie que apresentou maior importância na flora emergente em ambas as áreas foi Myrciaria tenella (DC.) O. Berg. O fogo influenciou na composição florística e na taxa de cobertura da vegetação espontânea nas áreas avaliadas.


Palavras-chave


queima controlada, agricultura familiar, Amazônia.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE VMS et al. 2017. Considerações sobre clima e aspectos edafoclimáticos da Mesorregião Nordeste

Paraense. In: CORDEIRO IMCC et al. (Org.). Nordeste Paraense: panorama geral e uso sustentável das florestas

secundárias. Belém: EDUFRA. p.59-96.

AYRES M et al. 2007. BioEstat 5.0: Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas: Sociedade

Civil Mamirauá/Belém. Brasília: CNPq. 290p.

BOND WJ & VAN WILGEN BW. 1996. Fire and plants. London: Chapman e Hall. 263p. (Population and community

biology 14).

BRAUN-BLANQUET J. 1979. Fitossociología: bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madri: H. Blume.

p.

BRIGHENTI AM & OLIVEIRA MF. 2011. Biologia de plantas daninhas. In: OLIVEIRA JÚNIOR RS et al. (Eds). Plantas

daninhas e seu manejo. Curitiba: Omnipax, p.1-37.

BROWER JE et al. 1990. Field and laboratory methods for general ecology. 3.ed. New York: WMC Brown Publisher.

p.

CHAVES ALR et al. 2003. Erigon bonariensis: hospedeira alternativa do Lettuce mosaic vírus no Brasil. Fitopatologia

Brasileira 28: 307-311.

CORREIA NM et al. 2006. Influência do tipo e da quantidade de resíduos vegetais na emergência de plantas daninhas.

Planta daninha 24: 245-253.

DUARTE AP & DEUBER R. 1999. Levantamento de plantas infestantes em lavouras de milho “safrinha” no Estado de

São Paulo. Planta Daninha 17: 297-307.

GERWING J. 2003. A diversidade de histórias de vida natural entre seis espécies de cipós em floresta nativa na

Amazônia Oriental. In: VIDAL E & GERWING EJJ (Org.). Ecologia e manejo de cipós na Amazônia Oriental. Belém:

Imazon. p.95-119.

JANZEN DH. 1980. Ecologia vegetal nos trópicos. São Paulo: EDUSP. 79p.

LEAL EC et al. 2006. Banco de sementes em sistemas de produção de agricultura com queima e sem queima no

município de Marapanim, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Naturais 1: 19-29.

MAGURRAN AE. 1988. Ecological diversity and its measurement. Princeton: Princeton University Press. 177p.

MARTINS SV et al. 2002. Regeneração pós-fogo em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual no município

de Viçosa, MG. Ciência Florestal 12: 11-19.

MARQUES LJP et al. 2011. Dinâmica de populações e fitossociologia de plantas daninhas no cultivo do feijão-caupi e

mandioca no sistema corte e queima com o uso de arado. Planta Daninha 29: 981-989.

MELO ACG & DURIGAN G. 2010. Impacto do fogo e da regeneração da comunidade vegetal em borda de Floresta

Estacional Semidecidual (Gália, SP, Brasil). Revista Brasileira de Botânica 33: 37-50.

MILEO LJ et al. 2006. Plantas de cobertura de solo como hospedeiras alternativas de Colletotrichum guaranicola. Planta

Daninha 24: 677-683.

MULLER-DOMBOIS D & ELLENBERG H. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Jhon Wiley e

Sons. 574p.

NAIR PKR. 2007. The coming of age of agroforestry. Journal of the Science of Food and Agriculture 87: 1613-161.

OLIVEIRA AR.& FREITAS SP. 2008. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas em áreas de produção de

cana-de-açúcar. Planta Daninha 26: 33-46.

PEREIRA ES et al. 2000. Avaliações qualitativas e quantitativas de plantas daninhas na cultura da soja submetida aos

sistemas de plantio direto e convencional. Planta Daninha 18: 207-217.

PUTZ FE. 1984. The natural history of lianas on Barro Colorado Island, Panamá. Ecology 65: 1713-1724.

RHEINHEIMER DS et al. 2003. Modificações nos atributos químicos de solo sob campo nativo submetido à

queima. Ciência Rural 33: 49-55.

SAMPAIO EVSB et al. 1993. Effect of different fire severities on coppicing of caatinga vegetation in Serra Talhada, PE,

Brazil. Biotropica 25: 452-460.

SCHNEIDER AA. 2007. A flora naturalizada no estado do Rio Grande do Sul, Brasil: herbáceas

subespontâneas. Biociências 15: 257-268.

SOUZA LSA et al. 2003. Composição florística de plantas daninhas em agrossistemas de cupuaçuzeiro (Theobroma

grandiflorum) e pupunheira (Bactris gasipaes). Planta Daninha 21: 249-255.

STEUTER AA & McPHERSON GR. 1995. Fire as a physical stress. In: BEDUNAH DJ & SOSEBEE RE. Wildland plantas

physiological ecology and developmental morphology. Denver: Society for Range Management. p.550-579.

UHL C. 1987. Factors controlling succession following slashand-burn agriculture in Amazonia. The Journal of Ecology

: 377-407.

YANAGIZAWA YANP & MAIMONI-RODELLA RCS. 1999. Composição florística e estrutura da comunidade de plantas

do estrato herbáceo em áreas de cultivo de árvores frutíferas. Planta Daninha 17: 459-468.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711912020001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171