Avaliação de impactos ambientais gerados na implantação e operação de subestação de energia elétrica: um estudo de caso em Palhoça, SC

Eliana Turmina, Maria Raquel Kanieski, Larissa Antunes de Jesus, Luiara Heerdt da Rosa, Lais Gervasio Batista, Alexandre Nascimento de Almeida

Resumo


A energia elétrica é fundamental nos dias atuais, mas para chegar até empreendimentos agroveterinários, bem como ao consumidor final, há necessidade da implantação de empreendimentos que podem impactar o meio ambiente. Neste sentido, a avaliação de impactos ambientais desempenha um importante papel, contribuindo para que o desenvolvimento econômico e social estejam aliados aos fatores ambientais. Este estudo tem como objetivo avaliar por meio do método Ad Hoc, bem como de ambas as matrizes de interação e ponderação de atributos os impactos gerados por uma subestação de energia elétrica, situado no município de Palhoça, Santa Catarina. Foram analisadas as atividades relacionadas às etapas de implantação do empreendimento que consistem na terraplanagem, quando necessário e, posteriormente, as atividades de construção civil. Finalmente, a etapa de operação do empreendimento que consiste na identificação das ações geradoras que são as atividades de terraplanagem, locação e construção de estruturas, escavações, sistemas de drenagem e aterramento, montagens eletromecânicas, mobilização de pessoal e manutenção da subestação e consequentemente os impactos ambientais. As atividades realizadas pelo empreendimento em questão que podem afetar de forma direta os aspectos ambientais como: água, solo, emissões atmosféricas, entre outras, além de aspectos sociais. Com a utilização das matrizes de ponderação e interação, foi possível diagnosticar que a maioria das atividades impactantes ocorre na fase de implantação do empreendimento. A maioria dos impactos, para o empreendimento selecionado, foi classificado como de pequena importância, baixa magnitude e reversíveis. Este estudo de caso poderá auxiliar futuras pesquisas e estudos ambientais nas mais diversas áreas, de modo a apresentar um método de demonstrar a importância e interação de cada impacto, além de evidenciar para os órgãos licenciadores um método alternativo o qual pode ser exigido para os futuros estudos de impacto ambiental.


Palavras-chave


transmissão de energia, empreendimento impactante, matriz.

Texto completo:

PDF

Referências


AVILA SM & GONÇALVES PB. 2010. Procedimento para determinação das matrizes de ponderação do algoritmo de controle ótimo para um amortecedor de massa híbrido (AMH). Asociación Argentina de Mecánica Computacional XXIX: 1345-1365.

BRASIL. 1986. Resolução CONAMA nº 01, de 23 de janeiro de 1986. Que dispõe sobre as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 Fev. 1986.

BRASIL. 1987. Resolução CONAMA n° 06, de 16 de setembro de 1987. Que dispõe sobre o licenciamento ambiental de obras do setor de geração de energia elétrica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 Out. 1987.

BRASIL. 1997. Resolução CONAMA n° 237 de 19 de dezembro de 1997. Dispõe sobre a revisão e complementação dos procedimentos e critérios utilizados para o licenciamento ambiental. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 Dez. 1997.

BRASIL. 2001. Resolução CONAMA n° 279, de 27 de junho de 2001. Que dispõe sobre a necessidade de estabelecer procedimento simplificado para o licenciamento ambiental, dos empreendimentos com impacto ambiental de pequeno porte. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 Jun. 2001.

CAMARGO ASG et al. 2004. Proposta de definição de indicadores de sustentabilidade para geração de energia elétrica. Revista Educação & Tecnologia 8: 1-21.

DINIZ FB. 2003. Impacto ambiental da emissões sonoras de subestações de energia elétrica na cidade de Curitiba. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica). Curitiba: UFPR. 121p.

FERREIRA JB. 2011. Estudo de impactos ambientais e medidas mitigadoras para uma obra de linhas de transmissão de energia elétrica. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Agronomia). Florianópolis: UFSC. 48p.

FINUCCI M. 2010. Metodologias utilizadas na avaliação do impacto ambiental para liberação comercial do plantio de transgênicos: uma contribuição ao estado da arte no Brasil. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). São Paulo: USP. 230p.

GEO CONSULTORES. 2016. Estudo Ambiental Simplificado – EAS: subestação Palhoça Caminho Novo. Tubarão: Geo Consultores Engenharia e Meio Ambiente Ltda, 159p.

IBGE. 2012. Manual Técnico da Vegetação Brasileira: Sistema fitogeográfico inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. 2.ed. Rio de janeiro: IBGE. 271p. (Manuais Técnicos de Geociências, 1).

LIMA AO de. 2008. Estudo de medidas para controle ambiental em subestações de energia elétrica. Dissertação (Mestrado em Gestão e Políticas Ambientais). Recife: UFPE. 80p.

MORGAN A. 2017. Métodos mais utilizados na avaliação de impactos ambientais. Centro de Produções Técnicas e Editora Ltda. Disponível em: https://www.cpt.com.br/noticias/metodos-mais-utilizados-na-avaliacao-de-impactos-ambientais. Acesso em: 18 mai. 2017.

MORRIS P & THERIVEL R. 1995. Methods of Environmental Impact Assessment: the natural and built environmental. 2.ed. Londres: London: UCL Press. 492p.

PEREIRA ALAB. 2014. Análise crítica dos impactos ambientais ocasionados pela linha de transmissão 500 kV Miracema, Sapeaçu e subestações associadas. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental). Rio de Janeiro: UFRJ. 112p.

PIMENTEL G & PIRES SH. 1992. Metodologias de avaliação de impacto ambiental: Aplicações e seus limites. Revista de Administração Pública 26: 56-68.

PIRES LFA. 2005. Gestão ambiental da implantação de sistemas de transmissão de energia elétrica. Estudo de caso: Interligação Norte/Sul I. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental). Niterói: UFF. 142p.

RODRIGUES ERC. 2014. Avaliação do impacto ambiental na implantação do sistema isolado e aéreo de distribuição de energia elétrica na reserva da Sapiranga em Mata de São João, BA. Monografia (Especialização em Gestão Ambiental em Municípios) Medianeira: UFTPR. 56p.

SÁNCHEZ LE. 2013. Avaliação de impacto ambiental - conceitos e métodos. 2.ed. São Paulo: Oficina de Textos. 584p.

SETANI M. 2015. Prevenção, Mitigação e Compensação de Impactos Ambientais de PCHs. Disponível em: http://www.ciclusambiental.net.br/blog/prevencaomitigacaoecompensacaodeimpactosambientaisdepchs. Acesso em: 21 mai. 2017.

SILVA E. 1999. Técnicas de avaliação de impactos ambientais. Viçosa: CPT. 64p. (Vídeo-curso, 199).

SILVA IMP. 2006. Impactos socioambientais da implantação de linha de transmissão de energia elétrica sobre as comunidades extrativistas do babaçu no estado do Maranhão. Dissertação (Mestrado em Gestão e Políticas Ambientais). Recife: UFPE. 103p.

VALDETARO EB et al. 2015. Conjugação dos métodos da matriz de interação e do check-list na avaliação quali-quantitativa de impactos ambientais de um programa de fomento florestal. Revista Árvore 39: 611-622.

WATHERN P. 1988. An introductory guide to EIA. In: WATHERN P. (Org). Environmental impact assessment: theory and practice. London: Unwin Hyman. p. 3-30.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018589

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171