Divergência genética de genótipos de cafeeiros resistentes à ferrugem com base em características anatômicas

Mariana Thereza Rodrigues Viana, Tamara Cubiaki Pires da Gama, Janine Magalhães Guedes, Rubens José Guimarães, Harianna Paula Alves de Azevedo, Dalyse Toledo Castanheira, Vicente Luiz Naves

Resumo


Objetivou-se com esse trabalho avaliar a divergência genética de genótipos de cafeeiros resistentes à ferrugem do Banco de Germoplasma de café de Minas Gerais, com base em características anatômicas. Foram avaliadas 12 características anatômicas foliares e a distância generalizada de Mahalanobis foi usada para quantificar a divergência genética entre os genótipos. Foram empregados como estratégia de agrupamento, o agrupamento de Tocher e o método hierárquico UPGMA (Unweighted Pair-Group Method Using Arithmetic Averages), além disso, foi feita a análise da contribuição relativa das variáveis. Houve variabilidade genética entre os genótipos, sendo que a análise do agrupamento de Tocher e UPGMA separaram os genótipos em cinco e sete grupos distintos, respectivamente. O genótipo MG 0582 se destacou como o mais divergente dentre os demais com base nas características anatômicas avaliadas. Conclui-se que existe uma grande variabilidade genética para as características da anatomia foliar entre os 15 genótipos avaliados, possibilitando a seleção de genótipos superiores com base nessas características.


Palavras-chave


coffea arábica, banco de germoplasma, melhoramento, anatomia foliar.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ANTHONY F et al. 2002. The origin of cultivated Coffea arabica L.: varieties revealed by AFLP and SSR markers. Theoretical Applied Genetics 104: 894-900.

AZEVEDO AM et al. 2013. Seleção de genótipos de alface para cultivo protegido: divergência genética e importância de caracteres. Horticultura Brasileira 31: 260-265.

BALIZA DP et al. 2012. Trocas gasosas e características estruturais adaptativas de cafeeiros cultivados em diferentes níveis de radiação. Coffee Science 7: 250-258.

BARRETO LF et al. 2015. Characterization of rambutan plants by foliar aspects. African Journal of Agricultural Research 10: 3607-3613.

CASTANHEIRA DT et al. 2016. Potencial de utilização de características anatômicas e fisiológicas na seleção de progênies de cafeeiro. Coffee Science 11: 374-385.

CRUZ CD. 2013. GENES: software para análise de dados em estatística experimental e em genética quantitativa. Acta Scientiarum. Agronomy 35: 271-276.

DEL GROSSI L et al. 2013. Rust resistance in Arabic Coffee cultivars in northern Paraná. Brazilian Archives of Biology and Technology 56: 27-33.

EIRA MTS et al. 2007. Bancos de germoplasma de café no Brasil. Brasília: EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia. 18p. (Documentos 243).

FONSECA AFA et al. 2006. Divergência genética em café conilon. Pesquisa Agropecuária Brasileira 41: 599-605.

GOMES IAC et al. 2008. Alterações morfofisiológicas em folhas de Coffea arabica L. cv. ”Oeiras” sob influência do sombreamento por Acacia mangium Willd. Ciência Rural 38: 109-115.

GUEDES JM et al. 2013a. Genetic divergence among progenies resulting from the crossing of groups coffee Hybrid Timor and Dilla & Alghe. Journal of Agricultural Science and Technology 3: 865-872.

GUEDES JM et al. 2013b. Divergência genética do germoplasma Maragogipe. Bragantia 72: 127-132.

IVOGLO MG et al. 2008. Divergência genética entre progênies de café robusta. Bragantia 67: 823-831.

JOHANSEN DA. 1940. Plant microtechnique. New York: McGraw-Hill Book Company. 487p.

KÖPPEN W. 1948. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. México: Fondo de Cultura Econômica. 478p.

KRAUS JE & ARDUIM M. 1997. Manual básico de métodos em morfologia vegetal. Rio de Janeiro: Seropédica. 198p.

LOURENÇO HAO et al. 2011. Anatomia foliar de diferentes cultivares de soja e sua relação com a incidência e severidade de doenças. Global Science and Technology 4: 37-47.

MUSSURY RM et al. 2012. Anatomia foliar de soja infectada por Phakopsora pachyrhizi H. Sydow & Sydow e tratadas com extratos vegetais. Revista Brasileira De Plantas Medicinais 14: 18-25.

OLIVEIRA NK et al. 2014. Anatomia foliar de cafeeiros implantados com o uso de polímero hidrorretentor. Coffee Science 9: 258-265.

QUEIROZ-VOLTAN RB et al. 2014. Caracterização da anatomia foliar de cafeeiros arábica em diferentes períodos sazonais. Revista Biotemas 27: 1-10.

RIBEIRO MNO et al. 2012. Anatomia foliar de mandioca em função do potencial para tolerância às diferentes condições ambientais. Revista Ciência Agronômica 43: 354-361.

SILVA LM et al. 2005. Inter-relações entre anatomia vegetal e produção vegetal. Acta Botânica Brasílica 19: 183-194.

SINGH D. 1981. The relative importance of characters affecting genetic divergence. The Indian Journal of Genetic and Plant Breeding 41: 237-245.

VÁRZEA VMP et al. 2002. Resistência do cafeeiro a Hemileia vastatrix. In: ZAMBOLIM. L (Ed.). O estado da arte de tecnologias na produção de café. Viçosa: UFV. p.297-303.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018547

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171