Período de maturação promove alterações dos parâmetros físico-químicos e microbiológicos da carne bovina submetida a vácuo

Karina Aline Mateus, Moisés Rodrigues dos Santos, Letícia Ribas Viana, Dayse Mary Camillo, Julcemar Dias Kessler

Resumo


A pesquisa teve como objetivo avaliar os efeitos da maturação a vácuo sobre as mudanças de qualidade dos bifes de bovinos até 9 dias de refrigeração. O músculo Longissimus dorsi de 20 bovinos cruzados (Charolês x Angus) foram utilizados na pesquisa. As amostras foram distribuídas em três períodos de maturação a vácuo: T0 = zero (sem vácuo), T3 = 3, T7 = 7 e T9 = 9 dias, com cinco repetições, em cada período avaliado. Durante o período de maturação foi determinado o pH, a coloração (L*, a*, b*), tonalidade, croma, capacidade de retenção de água, perda por cocção e força de cisalhamento das amostras. Verificou-se que o progresso da maturação da carne a vácuo altera (p<0,05) o croma, a tonalidade, e a força de cisalhamento. Os demais parâmetros avaliados não apresentaram modificações significativas durante as avaliações. De acordo com os resultados, pode-se afirmar que o período de maturação até 9 dias influencia na qualidade instrumental da carne bovina, ou seja, um período inferior ao recomendado pela indústria para maturação da carne, que por sua vez, influencia na decisão de compra dos consumidores.


Palavras-chave


carne maturada, Longissimus dorsi, maciez e pH da carne.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES DD et al. 2005. Maciez da Carne Bovina. Ciência Animal Brasileira 6: 135-149.

ANDRADE PL et al. 2010. Qualidade da carne maturada de bovinos Red Norte e Nelore. Revista Brasileira de Zootecnia 39: 1791-1800.

ANDRIGHETTO C et al. 2006. Maturação da carne bovina. Revista Electrónica de Veterinaria 7: 1-6.

BORCH E et al. 1996. Bacterial spoilage of meat and cured meat products. International Journal of Food Microbiology 33:103-120.

BOSCO DMS et al. 2016. Qualidade da carne bovina maturada e tenderizada comercializada na região de Dracena, SP. Boletim de Indústria Animal 73: 304-309.

CALLEJAS-CÁRDENAS AR et al. 2014. Effect of vacuum ageing on quality changes of lamb steaks from early fattening lambs during aerobic display. Meat Science 98: 646-651.

CONTRERAS-CASTILLO CJ et al. 2016. The effect of electrical stimulation on post mortem myofibrillar protein degradation and small heat shock protein kinetics in bullbeef. Meat Science 113: 65–72.

CAÑEQUE V & SAÑUDO C 2005. Estandarización de las metodologias para evaluar la calidad del produto (animal vivo, canal, carne y grasa) em los ruminantes. 3.ed. Madrid: INIA. 445p.

FRYLINCK L et al. 2009. Evaluation of biochemical parameters and genetic markers for association with meat tenderness in South African feedlot cattle. Meat Science 83: 657-665.

HUR SJ et al. 2013. Effect of modified atmosphere packaging and vacuum packaging on quality characteristics of low grade beef during cold storage. Asian Australasian Journal Animal Science 26: 1781-1789.

JELENÍKOVÁ J et al. 2008. The influence of ante-mortem treatment on relationship between pH and tenderness of beef. Meat Science 80: 870-874.

LI P et al. 2014. Effect of ultimate pH on postmortem myofibrillar protein degradation and meat quality characteristics of chinese yellow crossbreed cattle. The scientific world journal. Article ID 174253.

MANCINI RA & HUNT MC 2005. Current research in meat color. Meat Science 71: 100-121.

MILLS J et al. 2014. Factors affecting microbial spoilage and shelf-life of chilled vacuum-packed lamb transported to distant markets: A review. Meat Science 98: 71-80.

ZIELBAUER BI et al. 2016. Physical aspects of meat cooking: time dependent thermal protein denaturation and water loss. Food Biophysics 11: 34-42.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171