Uma reflexão acerca dos fardamentos militares femininos em Pernambuco: entre o justo da cultura e as categorias ergonômicas de conforto

Flávia Zimmerle da Nóbrega Costa, Julia Atroch de Queiroz, Iris Fideliz de Silva

Resumo


Os uniformes tem por função demarcar sentidos simbólicos e atividades laborais, além de proteger corpo do profissional, proporcionando bem-estar e auxiliando o seu desempenho. Sua adequação ao corpo depende de considerar suas dimensões e proporções, além das características próprias ao posto de trabalho, tais como os riscos próprios ao ambiente e a extensão e dinâmica dos movimentos da articulação motora exigidas pelas tarefas. Contudo, quando se trata da polícia militar feminina, não é incomum observar no cotidiano da cidade o quanto justas são essas peças de vestuário, especialmente as calças, que marcam as formas do corpo. Considerando as categorias do conforto para o vestuário, à luz do pensamento de Bourdieu, a questão nos levou a refletir os motivos e as possíveis consequências do desenvolvimento do gosto por tal estética. Nossos resultados apontaram que o gosto, uma questão cultural, afeta e pode colocar em risco a segurança da usuária em sua atividade laboral.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. J. Uniformes da Guarda Nacional (1831-1852): a indumentária na organização e funcionamento de uma associação armada. Anais do Museu Paulista. v.8, n.9, São Paulo, p.77-147, 2003.

BECK, D. Q. Uniformes escolares: delineando identidades de gênero. Revista HISTEDBR On-Line, v.14, n.58, p.136-150, 2015.

BRASIL. Decreto nº 5289, de 29 de novembro de 2004. Brasília, 2004.

BROEGA, A. C.; SILVA; M. E. C. O Conforto Total do Vestuário: Design para os Cincos Sentidos. Actas de Diseño, v. 9, p. 59-64, 2010.

BOTTINI, E. C. Análise das Propriedades Têxteis dos Tecidos para Vestimenta Militar. 2016. 84 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

DAS A.; ALAGIRUSAMY R. Science in Clothing Comfort. New Delhi: Woodhead Publishing, 2011.

DIAS, S. F. P. O fardamento na indústria: desenvolvimento do fardamento na empresa Celtejo. 2017. 148 f. Dissertação (Mestrado em Design de Vestuário e Têxtil) - Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, ESART, Castelo Branco, Portugal, 2017.

GOLDENBERG, M. O corpo como capital: para compreender a cultura brasileira. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 115-123, julho/dezembro, 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO. Decreto nº 26.261, de 22 de dezembro de 2003. Lex: Regulamento de Uniformes da Polícia Militar de Pernambuco. Recife, 2003.

KLANOVICZ. L. R. F. Moda na saia justa. Caderno Espaço Feminino, v.20, n.02, p. 183-2017, Ago./Dez. 2008.

LANA, L. C. C.; CORRÊA, L. G.; ROSA, M.G. A cartilha da mulher adequada: ser piriguete e ser feminina no Esquadrão da Moda. Contracampo. Niterói/ RJ, v.24, n.1, p.120- 139, 2012.

LURIE, A. A linguagem das roupas. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

MARANEZI, F. B. A moda e os uniformes e seu contexto comportamental: uma reflexão aos usos sociais e significados simbólicos. In: Congresso Internacional de História, VIII, 2017, Maringá. Anais [...]. Maringá, 2017.

MENDES, T. B.; GONÇALVES, M. Metarepresentação da sexualidade feminina nas mídias sociais digitais: universo das piriguetes nas telenovelas da Rede Globo. In: Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, XIX, 2014, Vila Velha – ES. Anais [...]. Vila Velha, 2014.

MENEGUCCI, F.; SANTOS FILHO, A. Gs. Materiais Têxteis: uma discussão sobre os atributos táteis nos tecidos. In: Colóquio de Moda, 8, 2012, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Senai/Cetiqt, 2012.

SETTON, M. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Rev. Bras. Educ. n.20, Rio de Janeiro, p.60-70, May/Aug. 2002

SPELIĆ, I.; MIHELIĆ-BOGDANIĆ, A.; SAJATOVIĆ, A. H. Standard Methods for Thermal Comfort Assessment of Clothing. Boca Raton, FL: CRC Press/ Taylor & Francis, 2018.

THIRY-CHERQUES, H. R. Métodos estruturalistas: pesquisas em ciência de gestão. São Paulo: Atlas, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/25944630332019134

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Flávia Zimmerle da Nóbrega Costa, Iris Fideliz de Silva, Julia Atroch de Queiroz

Indexadores, diretórios e bases de dados

      

Endereço: Lab. Moda e Sociedade - sala 51 | Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88035-001. 

Email: modaesociedade@gmail.com

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Esta revista é um projeto interinstitucional entre os programas de pós graduação em artes, design e consumo da PPGAV/UDESC, ICA/UFC, PPGD/UFPE e PGCDS/UFRPE, com apoio da Diretoria de Ensino da Abepem.