Reflexões acerca dos testamentos e inventários para o estudo do vestuário na América portuguesa

Juliana de Mello Moraes

Resumo


O propósito deste artigo é refletir acerca das características dos inventários e testamentos, produzidos entre os séculos XVII e XVIII, e suas potencialidades para o estudo das aparências e temas correlatos na América portuguesa. Além disso, se discute a possibilidade dessa documentação para a análise das conexões materiais, em especial presentes no vestuário, entre os diversos territórios pertencentes à Coroa portuguesa. Avaliar essas vinculações permite acessar as especificidades das diferentes localidades da América portuguesa, tendo em vista suas conexões intercontinentais. Entretanto, constata-se que apesar das inúmeras possibilidades de trabalho com essas fontes, ainda são escassos os estudos sobre as dinâmicas entre aquisição do vestuário, as aparências e as configurações sociais e suas conexões no império português.


Texto completo:

PDF

Referências


BAUER, Arnold. J. Goods, Power, History. Latin America ́s material culture. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

BONADIO, Maria Claudia. A produção acadêmica sobre moda na pós-graduação no Brasil. Iara - Revista de Moda, Cultura e Arte, v.3, n.3, 2010. Disponível em: . Acesso em 12 de fev. 2018.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII. As estruturas do cotidiano. vol. 1. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

FLEXOR, Maria Helena O. Inventários e testamentos como fontes de pesquisa. Histedbr, 2005. Disponível em: Acesso 23 jun. 2018.

FURTADO, Júnia Ferreira. Testamento e inventários. A morte como testemunho da vida. In: PINSKY, Carla B.; LUCA, Tania Regina de (orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

KARNAL, L. TATSCH, Flavia G. Documento e História. A memória evanescente. In: PINSKY, Carla B.; LUCA, Tania Regina de (orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

MACHADO, Alcântara. Vida e morte do bandeirante. São Paulo: Edusp, 1980.

MORAES, Juliana de Mello. “Prodigiosa mudança das vestiduras”: a historiografia sobre a moda na América portuguesa. In: Anais do 14º Colóquio de Moda, 2018. Disponível em: Acesso em 11 jun. de 2019.

PEREIRA, Ana L. C.. “Lençóis de linho, pratos da Índia e brincos de filigrana": vida cotidiana numa vila mineira setecentista. Estudos Históricos. v. 24, n. 48, p. 331-350, 2011. Disponível em: . Acesso 10 mai. 2019.

PRIORE, Mary Del. História do cotidiano e da vida privada. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (orgs.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

RAINHO, Maria do Carmo. A moda como campo de estudos do historiador: balanço da produção acadêmica no Brasil. Anais do 11º Colóquio de Moda, 2015. Disponível em: < http://www.coloquiomoda.com.br/anais/Coloquio%20de%20Moda%20-%202015/ARTIGOS-DE-GT/GT06-MODA-E-CULTURA/GT-6-A-MODA-COMO-CAMPO-DE-ESTUDOS-DO-HISTORIADOR.pdf> Acesso em: 10 de jun. 2018.

ROCHE, Daniel. História das coisas banais. Nascimento do consumo séc. XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

ROCHE, Daniel. A Cultura das Aparências: Uma história da Indumentária (séculos XVII-XVIII). São Paulo: Editora Senac, 2007.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. O império português. 1415-1808. O mundo em movimento. Lisboa: Clube do Autor, 2016.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. Sulcando os mares: um historiador do império português enfrenta a "Atlantic History". História, v. 28, n. 1, p. 17-70, 2009. Disponível em . acessos em 05 jul. 2016.

SANT´ANNA, Mara Rúbia. O Brasil por suas aparências. Sociabilidades coloniais entre o ver e o ser visto. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.

SCHWARTZ, Stuart. A historiografia dos primeiros tempos do Brasil moderno. Tendências e desafios das duas últimas décadas. História: questões & debates, n. 50, 2009, p. 175-216.

SILVA, Camila Borges da. Os inventários no estudo da indumentária: possibilidades e problemas. Acervo, Rio de Janeiro, v. 31, n. 2, p. 142-160, maio/ago. 2018.

SILVA, Luciana da. A circulação de artefatos por meio das disposições testamentárias: apontamentos sobre as vestimentas na vila de São Paulo (1580-1640). Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v.23. n.1. p. 195-220. jan.- jun. 2015. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=27342180008

VAINFAS, Ronaldo. História cultural e historiografia brasileira. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 50, p. 217-235, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/25944630332019044

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Juliana de Mello Moraes

Indexadores, diretórios e bases de dados

      

Endereço: Lab. Moda e Sociedade - sala 51 | Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88035-001. 

Email: modaesociedade@gmail.com

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Esta revista é um projeto interinstitucional entre os programas de pós graduação em artes, design e consumo da PPGAV/UDESC, ICA/UFC, PPGD/UFPE e PGCDS/UFRPE, com apoio da Diretoria de Ensino da Abepem.